A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

13/08/2013 08:44

De portas abertas

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Atrair e reter profissionais qualificados são preocupações em pauta na maioria das grandes corporações, principalmente em tempos de escassez de mão de obra especializada. O estudo Talent Shortage Global Survey (Pesquisa Global de Falta de Talentos), que ouviu empregadores em 42 nações, indicou que 68% dos empresários brasileiros relataram dificuldades para preencher suas vagas.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

O índice foi quase o dobro da média geral, de 35%, o que faz do Brasil o segundo colocado na lista divulgada pela pesquisa, atrás apenas do Japão. O estudo mostrou ainda que as principais deficiências estão nos setores técnicos, já que essa formação ainda está muito aquém da necessária.

A falta de profissionais das áreas de ciências exatas é histórica, mas o problema surge com mais ênfase após o período de crescimento econômico que o Brasil viveu nos últimos cinco anos. Estima-se, por exemplo, que faltam no mercado cerca de 150 mil engenheiros. Na área tecnológica, um déficit de 100 mil profissionais de tecnologia da informação (TI).

Para não pararem no tempo e continuarem competitivas em um mercado cada vez mais concorrido, as empresas devem criar condições para incentivar o crescimento dos profissionais, com plano de carreira e acesso às tecnologias mais modernas. Outra regra básica na luta contra a falta de mão de obra qualificada é o investimento na formação profissional do jovem.

E, nesse caso, nada melhor do que estabelecer programas de estágio eficientes que desenvolvam a capacidade do estudante, aproveitando os conhecimentos teóricos adquiridos na universidade para que ele aplique esse cabedal de informações na prática da profissão.

O estágio é a porta aberta para o mercado de trabalho, pois possibilita a primeira experiência profissional e o primeiro contato com a profissão desejada. Permite que o estudante conviva com trabalhadores mais experientes, enriquecendo sua trajetória profissional.

Os jovens podem, então, absorver a riqueza prática que os bancos escolares não trazem em suas disciplinas. O estágio é, portanto, um complemento valioso do diploma, que capacita o jovem para o mercado de trabalho. Em tempos de mão de obra escassa, é um belo remédio para o mundo corporativo, que pode investir na formação de seus próprios colaboradores.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente Executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions