A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

05/05/2015 13:43

Dengue: O avanço presente da doença do passado

Por Jan Carlo Delorenzi (*)

Os números alarmantes mostrados pelo Ministério da Saúde sobre o avanço da Dengue no Brasil no de 2015 revelam uma situação desalentadora. A Dengue é uma doença cujos surtos endêmicos e epidêmicos são relatados no Brasil desde a segunda metade do século XIX. Observar números de mais de 746 mil casos em apenas 3 meses e meio do décimo quinto ano do século XXI é simplesmente inaceitável.

Uma outra situação ainda mais séria relaciona-se ao estado de São Paulo. Considerado o mais desenvolvido e rico do Brasil, registra mais da metade das notificações nacionais e também o maior número de óbitos registrados pela doença. A pergunta que se faz, portanto é: Em que estamos falhando?

Pensar em apontar culpado ou culpados para a situação da Dengue é uma ingenuidade, uma vez que trata-se de uma doença complexa, ainda que seu agente causador, o Vírus da Dengue (em seus diversos sorotipos) e o seu agente Transmissor, o Aedes aegypti, sejam bastante conhecidos. Entretanto, é fato que há falhas severas tanto por parte do poder público quanto por parte da população, ao não darem a devida atenção aos aspectos mais sérios na transmissão da doença.

Como a Dengue não possui tratamento medicamentoso ou vacina que possa ser usada na prevenção o foco para evitar a disseminação, morbidades e mortes causadas por essa doença está em, justamente, evitar a reprodução dos mosquitos vetores. Nesse momento atual, essa é a alternativa que dispomos. É importante lembrar que o mosquito Aedes aegypti já foi erradicado do Brasil (na década de 1950) quando assumiu-se medidas de controles sérias e severas. Foi possível uma vez. É possível novamente. Basta que haja um esforço conjunto da população e do poder público nessa direção.

Outro aspecto importante é que a Dengue é considerada uma entre as 17 Doenças Tropicais Negligenciadas, aquelas para as quais não foram desenvolvidos novos medicamentos nos últimos 40 anos. Há um esforço de organismos internacionais aliados à Organização Mundial de Saúde para alterar essa perspectiva. Ainda há muito a ser feito. Sendo assim, mais uma vez, a alternativa que dispomos de forma imediata é o controle do vetor.

(*) Jan Carlo Delorenzi é doutor em Ciências Biológicas (Biofísica). Professor de Imunologia e Saúde Pública – Universidade Presbiteriana Mackenzie. Investigador Sênior em Pesquisa Clínica. Conferencista na área de Doenças Tropicais Negligenciadas.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions