A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

28/04/2016 09:00

Doa a quem doer

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Em recente matéria publicada pela BBC Brasil, onde há referência ao artigo “A Grande Traição”, do jornal britânico The Economist, admite-se que “o fracasso brasileiro, não é atribuído somente à presidente” ou ao partido que ela representa, mas a “toda classe política por meio de um combinado de negligências e corrupção”.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Contudo, segundo a BBC Brasil, há esperança de mudanças “especialmente aquelas voltadas ao cumprimento da lei. A prova disso é o escândalo na Petrobrás, que ‘tem aprisionado alguns dos políticos e empresários mais poderosos do país’”.

E, realmente, é o que se espera, um judiciário capaz de educar nossos políticos, fazendo a lei valer a todos, doa a quem doer. Mas, por outro lado, não podemos esquecer que estes políticos foram eleitos por força do voto e essas atitudes podem ter reflexo direto na nossa sociedade contemporânea.

Para ilustrar melhor este pensamento, cito uma experiência social feita pelo apresentador Nilson Fagata: a ideia foi de abordar aleatoriamente alguém na rua para dar a opinião sobre algum assunto polêmico.

Assim que a opinião era externada, o entrevistador pedia para desligar a câmera. Neste ínterim, era oferecido dinheiro para que o entrevistado mudasse de opinião. A maioria aceitou a proposta. Nesse contexto, parece não haver diferenças entre estas pessoas e os políticos corruptos.

Como resolver tal situação?! A educação continuará sendo a solução. Não faltam exemplos do poder transformador desta. Um deles é o Japão que, segundo o site blog.suri-emu.co.jp, carrega “virtudes como confiança, integridade e honestidade (...) emanados desde a tenra idade, fazendo parte da educação desse povo, há gerações.”

Essas virtudes são refletidas nas Mujin-Hanbai. “São barraquinhas de vendas sem atendentes. O comprador escolhe um produto e paga por consciência própria”.

No Brasil há iniciativas parecidas, por exemplo, na Universidade Tecnológica do Paraná, de Cornélio Procópio, onde o professor de engenharia André Luis Shiguemoto fez um experimento conhecido como “teste do picolé”: a ideia é colocar picolés à venda, sem atendentes ou vigilância. Os clientes têm acesso irrestrito aos sorvetes e pagam apenas se a consciência mandar.

De tempo em tempo o dinheiro e os sorvetes são contados. O interessante é que o índice de calote foi relativamente pequeno, algo em torno de 2,5%. Entretanto, os alunos entrevistados se dizem insatisfeitos com os resultados e pretendem buscar maior conscientização sobre cidadania e ética, pois, quem se vale da oportunidade para desviar o valor de um sorvete hoje, poderá desviar milhões futuramente.

Recentemente, na 15ª Expo Internacional de Umuarama aplicou-se a mesma experiência social, contudo, o resultado foi bem diferente do prof. Shiguemoto: 60% dos clientes NÃO pagaram, inclusive, alguns desses, literalmente, encheram os bolsos de sorvetes.

Os experimentos provam que as reflexões sobre cidadania e ética, precisam de mais força. Ser ampliadas, levadas para as associações, para mais escolas e universidades.

A educação é fundamental, mas enquanto esta não é colocada em pauta, nos resta depositar nossas esperanças no poder judiciário brasileiro e desejar que este – doa a quem doer – coloque todos políticos suspeitos sob o rigor da lei.

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo/colunista da FGV/ABS (Fundação Getúlio Vargas/América Business School) de Presidente Prudente (SP).

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions