A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

03/03/2011 11:00

É hora da meritocracia

Por Fabio Arruda Mortara (*)

A constrangedora batalha por cargos travada neste início do Governo Dilma Roussef corrobora o midiático estudo da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) que mostra ser exagerado, na comparação com países emergentes e desenvolvidos, o modelo do Estado brasileiro de nomeações de cunho político. São cerca de 22 mil vagas de comando e assessoria em autarquias, áreas técnicas dos ministérios e departamentos dos distintos órgãos da União.

Em tese, esses cargos de Direção e Assessoramento Superiores (DAS) ou de Natureza Especial, como são tecnicamente classificados, destinam-se a especialistas do setor privado ou aos servidores públicos de carreira mais talentosos e competentes. Com isso, o governo teria condições de contratar profissionais realmente qualificados, melhorando o serviço público. Porém, é lamentável constatar que a maioria dessas posições acabe beneficiando apadrinhados políticos, nem sempre habilitados ao desempenho eficaz da função.

A distorção expõe antigo vício do setor estatal brasileiro, independentemente do partido que esteja no poder. É um culto ao fisiologismo prejudicial à Nação, à medida que deturpa a função pública e, não raramente, interfere no foco e atuação das unidades governamentais. Por isso, dentre os próximos passos da modernização do País, é decisiva uma atuação assertiva, profissional e eficaz da máquina administrativa. Suas engrenagens continuam a tal ponto emperradas, que se mostram incapazes de realizar tarefas aparentemente simples, como fiscalizar e coibir o uso indevido do papel imune, constitucionalmente reservado à impressão de jornais, revistas, livros e periódicos.

Considerando haver dificuldades para solucionar questões singelas como a desse exemplo relativo à indústria gráfica, o que dizer, então, dos grandes temas nacionais. As responsabilidades e tarefas a serem cumpridas pelo atual governo são densas, amplas e decisivas, como o resgate da competitividade industrial, o reequilíbrio da balança comercial das manufaturas, a implementação de políticas públicas para mitigar os gargalos da infraestrutura, a melhoria da saúde e da educação, os subsídios técnicos às reformas estruturais e a agenda de obras atrelada à realização da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.

Os desafios a serem enfrentados evidenciam o significado da profissionalização crescente dos cargos de comando e operações do governo, que exigem qualificação e experiência. Assim, o alerta contido no estudo da OCDE deve servir como reflexão, num construtivo processo de aperfeiçoamento da gestão estatal, para que o Brasil mantenha seu presente ciclo de prosperidade e possa caminhar a passos mais largos rumo ao desenvolvimento.

(*) Fabio Arruda Mortara é presidente do Sindicato da Indústria Gráfica no Estado de São Paulo (Sindigraf-SP) e diretor da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf).

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Infelizmente,tal prática é antiga e quase tradicional em nosso país.Mas,de oito anos para cá,o que houve realmente foi o aparelhamento dos órgãos mais importantes da nação.O país marcha para o crescimento únicamente graças à capacidade de seus empresários. Transportam nas costas o peso enorme que se tornou a máquina administrativa.
 
Ronaldo Ancél Alves em 03/03/2011 03:46:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions