A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

30/01/2012 11:00

Enchentes e obras de ficção

Por Marcos Alex Azevedo de Melo (*)

Todo ano a situação se repete, marcada por um rito natural. Basta chover acima do previsto e do céu surgir uma tormenta ultrapassando a média pluviométrica prevista, a nossa cidade se vê mergulhada no caos.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

É aí que surge a “operação abafa”, geralmente iniciada com uma entrevista às tevês e takes de um prefeito ocupado e preocupado percorrendo pontos críticos, em cujo cenário ao fundo, sempre se vendo uma massiva presença de garis e patrolas.

E assim vão brotando as explicações e a declaração oficial, timbrada pelo hábito de oferecer mais do mesmo, detalhando manjadas desculpas:

“já estamos providenciando tudo”, “a situação ocorreu porque choveu”, “a chuva foi muito forte”, “a obra tal ainda não está pronta”..o repórter questiona, avido por uma resposta, e quando será resolvido o problema? "ja estamos trabalhando" "contra Deus e a natrureza não se pode fazer nada".

O que Deus tem a ver com essa situação? em dezembro de 2011, um menino morre soterrado pelo lixão, agora, um motoqueiro perde sua vida, tragado pelo bueiro de uma rua de nossa cidade. Cade a responsabilidade civil, humana e administrativas para essas mortes?

De uma coisa o prefeito não poderá jamais reclamar: é da boa vontade dos seus concidadãos, de uma maneira geral, e em especial dos órgãos fiscalizadores e que monitoram - do ponto-de-vista social e institucional - as ações da administração publica, da imprensa, da Câmara, do Ministério Publico.

Uma blindagem absurdamente bem acima dos limites. Passou-se uma gestão de oito anos e não se resolveu o problema da Avenida Afonso Pena. Quanto de dinheiro foi aplicado nessa obra?

Neste mais recente temporal as águas desciam sobre e sob a camada do asfalto recapeado, denunciando a absoluta falta de drenagem numa via que esperou décadas por uma cirurgia reparadora que custou 8 milhões de reais, inaugurada como se fosse a principal obra de um governo, muita propaganda, placas, fotos e imagens festivas. Porém, mal acaba o foguetório e o pavimento já começa a esfarelar. Pura obra de ficção.

Os saquinhos das galerias na Ricardo Brandão, vergonhosamente colocados, após o seu desmoronamento, fizeram a opção de recomeçar tudo de novo. Quanto tempo demorou essa obra? Quanto de recurso publico ali foi investido? Obra de ficção.

Na Ernesto Geisel (a Norte-Sul) tentou-se arrumar a erosão asfáltica improvisando antigos trilhos de ferro usados para escorar placas de concreto. A ação, amadora, sugere uma analogia com a construção da primeira casa dos três porquinhos da fábula infantil. Anote-se: R$ 42 milhões! Esta é a pedida oficial da prefeitura para que possa arrumar a via, sinceramente...a barragem (!!??) construída no Sóter, denotam e evidenciam a ausência total de preparo técnico e até mesmo do bom senso na sua execução, supervisão e liberação, um verdadeiro escarnio.

Nos bairros, em asfaltos feitos e entregues há menos de seis meses, a única coisa que resta e que não esfarelou é o totem alaranjado anunciando, com requintes de crueldade, a entrega de mais uma obra de ficção e a chegada do carnê de contribuição de melhorias, a famigerada taxa de asfalto.

O fato e um dado concreto: todas as obras publicas em Campo Grande duram uma eternidade pra se concretizar, quanto tempo demorou pra ser entregue vias como a Ceara- a propria via Park- a Mato Grosso com a Via Park? e geralmente, todas, pequenas, médias e as grandes obras sempre reclamam e precisam de recall, é dinheiro publico sendo gasto duplamente, triplamente. E o engraçado é que ainda posam de competentes e se fazem se passar por sérios, infelizmente muitos incautos ainda acreditam nessa competência "fictícia".

Diante dessa situação a melhor coisa que a atual administração poderia fazer nesse momento em relação às enchentes é o não fazer. Se não deu conta e não teve competência técnica e gerencial para, nesses oitos anos, resolver tais problemas, não será agora em 6 meses – pois o calendário eleitoral é super-apertado – que conseguirá a solução miraculosa. É melhor, mais barato, e certamente deixar essa tarefa para o prefeito ou prefeita que vier. Chega de obras de ficção. Dinheiro publico merece respeito.

(*) Marcos Alex Azevedo de Melo - Alex do PT - é vereador em Campo Grande.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



as pessoas de campo grande deveriam contribuir mais com a adiministração publica, fazendo sua parte nas eleições que estão chegando, ou seja: não jogar lixo dentro da urna!!!!
 
marcio willians em 30/01/2012 12:51:23
Acredito que as obras iniciadas pela gestão do PMDB (1996 a 2012) serão quase todas concluídas com êxito. Não vejo motivos para tanto alarde em relação as chuvas torrenciais desses últimos dias. O fato é que ninguém tem um manual ou o controle do que a NATUREZA pode ou não. Os que estão aí "criticando" no mínimo jamais tentaram ou fizeram algo melhor.
 
Mario Cesar Ferreira Lima em 30/01/2012 05:28:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions