A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

13/03/2013 15:00

Ernesto e Wilson

Por Edson Moraes (*)

Ontem, Wilson Melquíades de Carvalho. Hoje, padre Ernesto Sassida. Duas instituições de carne, ossos, alma, coração e ideais a serviço de sua gente, doando-se pelo bem-estar do próximo a vida inteira...

Veja Mais
A atuação das empresas na era do talentismo
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna

Sim, a vida inteira, vida eterna, porque Wilson e padre Ernesto não morrem. Transformam-se em ondas invisíveis de amparo, incentivo, solidariedade, doação, caridade, alegria, força e amor a penetrar nas consciências, a derrubar os muros do egocentrismo, a universalizar a sacrossanta aposta na maravilhosa aventura de viver em comunhão com Deus e com as pessoas deste mundo.

Porque para eles "morar em casa" não era simplesmente fixar-se numa obra imobiliária cercada e delimitada para a guarda da "minha família". Para Wilson e padre Ernesto "morar em casa" era o mesmo que viver dentro de um mundo de diferentes, de ricos e pobres, de negros, brancos, pardos, índios, mamelucos, migrantes, imigrantes, flamenguistas, corinthianos, cristãos ateus, homens, mulheres e pessoas de todas as orientações sexuais, tendo como teto o firmamento sem fim, sem paredes, nem cercas. Pessoas medidas tão-somente pela graça de sua concepção, como originárias da vontade suprema de Deus, por isso iguais na essência da criação.

Agora, o antigo torneio de meninos pasteleiros, picolezeiros, jornaleiros e engraxates naquele campinho de chão batido agora se realiza também no céu, para felicidade de crianças que não foram felizes na terra, infelicitadas e excluídas pelos abismos sociais do preconceito, da ambição desmedida, do consumismo fútil, da inversão de valores e da ausência do compromisso com Deus.

Felizmente, o compromisso de Deus não se dilui, nem ao menos se esgarça. É dele o único e absoluto compromisso com a vitória dos filhos amados que Dele receberam uma missão e dela se desincumbiram com louvor. Padre Ernesto e Wilson foram enviados para fazer o bem e distribuir felicidade, esperança, amor. Tão bvem cumpriram essas tarefas que Deus os chamou, pois precisa deles para continuar Sua obra.

Lá, ao lado de Deus, comprometidos com Deus, estão Wilson e padre Ernesto. Com certeza, não descansam. Nunca tiveram tempo pra isso. Continuam trabalhando, isto é, fazendo o bem, distribuindo felicidade, esperança e amor. Dois corumbaenses cidadãos do mundo...e como já se proclamou corumbaense o padre Ernesto, a Eslovênia também é aqui...sob este céu, o país de todos!

(*) Edson Moraes é jornalista, corumbaense e ex-integrante da Cidade Dom Bosco.

A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions