A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

26/02/2012 10:28

Faixa de pedestre

Por Heitor Freire (*)

O crescimento da nossa cidade a olhos vistos se constata também pelo aumento considerável de veículos automotores. Campo Grande é uma das cidades brasileiras que tem o maior percentual de automóveis em relação ao número de habitantes. Essa situação vai causando uma série de transtornos que estão até recebendo atenção das nossas autoridades. Embora ainda tenha havido pouco resultado prático.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

Veja-se por exemplo a questão da faixa de pedestre. O uso desse espaço para circulação privativa não tem sido entendido pelos pedestres, que estão fazendo seu uso de forma arbitrária e inconseqüente. Os motoristas devem observar a faixa, em locais onde não haja semáforos – quando a preferência é dos pedestres –, pois quando existem estes a preferência no deslocamento já é sinalizada.

A campanha que já se divulgou não atingiu o seu objetivo maior – conscientização da população – que para isso, deveria massificar de forma bastante expositiva o tema. Isso se observa pela maneira displicente com que a maioria dos pedestres se conduz; cruzam as faixas, mesmo nas orientadas por semáforos de forma totalmente irresponsável, como se se estivesse estabelecendo um confronto entre motoristas e pedestres e agora estes se sentissem protegidos. É inadiável uma conscientização clara e didática para uma aplicação inteligente desta cultura de primeiro mundo que agora também pode ser nossa.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



Também morei em Brasília 9 anos e lá funciona muito bem a faixa p/ pedestres e veículos. Aqui em C.Grande a dificuldade é nas esquinas sinalizadas pois quando fecha o sinal de uma rua abre da outra e o pedestre fica sem poder atravessar.Aí os pedestres estão abusando, atravessando no sinal verde achando os donos do "pedaço". Os motoristas devem observar a faixa, em locais onde não haja semáforos.
 
Wilson Luiz Guimarães em 27/02/2012 08:56:31
Já morei em Brasília e acompanhei a implantação do respeito a faixa de pedestre. Porém lá no DF não temos o problema que temos aqui em Campo Grande, onde já se viu faixas em todas as esquinas?? Como eu entro em um rua a direita e tenho que parar para o pedestre e o sinal do outro sentido já fecha e eu tranco o trânsito?!! é muito confuso! Precisa ser revisto esse planejamento urbano, é PÉSSIMO!
 
Carolina Souza em 27/02/2012 02:19:20
Vejo mais uma vez que os comentários sobre comportamento de pedestres são parciais.
É verdade que existem pedestres abusados, como de resto são alguns motoristas, ciclistas e motociclistas. Todavia, no caso específico de pedestres, o comentário do ilustre articulista só pode ser aceito para os casos em que existem semáforos para os motoristas e também para os pedestres. Só para carros não vale.
 
Ivo Salgado da Rocha em 26/02/2012 12:07:25
Quer dizer então que a culpa é do pedestre?! O Sr. por acaso já precisou andar a pé na nossa cidade?

Essa questão da faixa não pode ser feita como está acontecendo. Sugiro aos governantes ver o exemplo do DF, único lugar que conheço no Brasil onde a faixa é realmente respeitada. A campanha feita lá foi coisa profissional e de massa, diferente do que ocorre aqui.
 
RICARDO FARIAS em 26/02/2012 06:36:44
O aumento da quantidade de veículos em nossa cidade é resultado do ELEVADO PREÇO do transporte urbano e o PÉSSIMO SERVIÇO OFERECIDO. Esta soma de fatores resulta no caos generalizado, sem contar que fica mais barato andar com veículo próprio do que com ônibus.
 
Elton Souza em 26/02/2012 03:56:41
Alguns motoristas são impacientes, não observam a faixa e muito menos respeitam o limite de velocidade, mas grande parte dos pedestres não entendeu a lei e não quer entender, e MORFARAM PARA TANQUES DE GUERRA: avançam em frente aos veículos, xingam, batem nos carros, surgem do nada em todos os lugares e olham para os veículos com ARROGÂNCIA qdo se aproximam, como uma AMEAÇA.
 
Mirian Fernandes em 26/02/2012 01:12:58
Inconsequência é eufemismo perto do que ocorre com a questão da faixa de pedestres. Em vez de garantir segurança, serviu de munição para agressões, para abusos e para todo o tipo de conduta como se realmente houvesse uma luta entre veículos e pedestres. E estes, com a lei, passaram a agir ostensivamente, AGREDINDO,arriscando a própria vida e dos outros. A Idade Média impera no centro, por exemplo.
 
Mirian Fernandes em 26/02/2012 01:08:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions