A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

24/12/2011 09:22

Feliz Natal!

Marcos Alex Azevedo de Melo (Alex do PT)*

Desde a minha tenra infância trago um questionamento sobre o comportamento geral da humanidade nesta época do ano: porque razão a harmonia transmitida pelo espírito natalino não se estende por todos os outro dias?

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Na infância, o que mais me interessava era a busca por presentes.

Amadurecido e curtido pelo tempo, percebo que os momentos de intensa e vivida confraternização perdem-se rapidamente, diluídos nos infortúnios, nas agruras do dia-a-dia da luta pela sobrevivência.

Bastam, portanto, apenas alguns dias após o evento natalícia e os efeitos imanentes dessa paz espiritual se dissipam como uma miragem, como um sopro, um brisa que, convenhamos, em sua efêmera duração, serviu de contraponto a essa maluca e desenfreada aventura humana na terra.

Há quem afirme - e esta ai o notável Gabriel Garcia Marques com sua obra “Noites Sinistras de Natal” - que a violência também se faz presente nesse período, percorre ruas e lares para deixar suas marcas e colidir na prática com a celebração familiar e contradizer o espírito natalino, ampliando o fosso intransponível entre o amor e o ódio. Cristo responde e continua a carregar a sua pesada cruz por mais esse desatino social.

Para alguns incautos e precipitados, Barrabás vence mais uma vez. O que Jesus Cristo tem a ver com bebedeiras e desavenças? E aí mais uma vez a minoria barulhenta e influente patenteia seu amargo e impiedoso

veredicto: neste mundo nem Cristo dá jeito. Ora, não podemos nos ater a esses desacertos sociais para achar uma justificação mínima - quer pelas vias do ateísmo ou do laicismo - de que nem mesmo o amor de Cristo é capaz de promover a verdadeira comunhão e a paz entre os cristãos.

Essa estreita opinião serve apenas para àqueles que enxergam apenas a árvore e não toda a floresta. Quem enxerga com profundidade e com coração nutrido de sentimentos nobres e maiores, vê que existe uma enorme e generosa abertura para a paz e para o encorajamento da melhoria das relações entre todos os seres humanos. Sem dúvida alguma e sem pieguice, se o verdadeiro espírito natalino permanecesse em nossos corações, certamente não viveríamos situações de tamanha violência e desespero.

Tende bom ânimo, eu venci o mundo, ja afirmava Jesus Cristo, demonstrando cabalmente que obstaculos existem para serem superados.

A obra síntese de Cristo em minha opinião se encontra no Cap. 6 de Mateus, que nos ensina e nos mostra a sua verdadeira visão societária e apostólica - a universal oração do Pai Nosso - e nos remete a profundas reflexões sobre o nosso comportamento diário: O Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino. Ou seja: quer o seu reino vindo em direção à terra, que segundo a sua visão é também o paraíso. Não precisamos apenas da morte terrena e da ressurreição para viver no paraíso. A vida terrena pode ser também paradisíaca.

Seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. Se a vontade de Deus fosse cumprida na terra teríamos guerra? Aqui novamente se reafirma a visão sobre a importância do nosso mundo, Cristo nos orienta a pedir que vontade que a vontade de Deus seja cumprida na terra, que sejamos governados-não no sentido teologico-legislativo- mas governança espirtual- segundo sua santa vontade- O pão nosso de cada dia – aqui, Ele deixa explícito que já poderíamos ser felizes apenas com a mesa diária garantida a nós e ao nosso próximo - reafirmado em Mateus-6.19:

“Não junteis tesouros na terra”; .6.26: “Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros”; ..6.28: “E, quanto ao vestuário, por que andais ansiosos”?

Feliz Natal. Que a Paz perpétua de Cristo possa reinar em vosso lar todos os dias de sua vida. “A minha paz eu vos dou”. João 14.23

(*) Marcos Alex Azevedo de Melo, Alex do PT, é vereadorm, líder da Bancada do PT, presidente da Comissão de Segurança Pública e membro da Comissão de Direitos Humanos.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



Sobre o primeiro parágrafo, eu concordo com vc e sou avessa a natal. Qd eu era criança no interior, eu nunca tive natal, nem sabia o que era isso. Qd conheci o natal, foi uma decepção... Apenas em um mês, fala-se de amor, de doação, caridade e outras coisas... Pq não o ano inteiro??? Eu faço minhas obras sociais, não por obrigação, mas pq sinto no meu coração e no Natal eu me recuso.
 
francisca mesquita em 24/12/2011 12:11:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions