A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

07/07/2012 08:50

Filhos fazem o que os pais fazem ou fizeram, por Ruy Sant’Anna

Por Ruy Sant’Anna (*)

Esta a abordagem sobre a violência no meio estudantil de escolas públicas e privadas de Campo Grande e do interior, até com ações agressivas de garotas, mostra que até agora os agressores ainda não foram adotados pelos traficantes. Por isso todo cuidado é pouco e merece o máximo cuidado.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

A violência está em todo lugar e raramente encontramos alguém que não tenha sofrido com ela, de algum modo, pelo mundo inteiro. A solução milagrosa só a alguns poucos poderá privilegiar, por isso a sociedade como um todo tem de se comprometer na solução ou diminuição dela, para o convívio tolerável, já que não se pode extingui-la por completo.

Não esqueçamos que filhos não fazem o que os pais mandam, eles fazem o que eles fazem. É verdade que se você trata com raiva, pouco caso ou desrespeito o seu filho, terá como resposta o retorno de tais tratamentos, em algum tempo. Se não diretamente contra eles, atingirá outras pessoas e/ou até animais.

E dizem os entendidos que a tendência é formar-se um círculo de sentimentos de pessoas que não foram valorizadas ou não tiveram desempenhos capazes de satisfazê-las, tornando-as insatisfeitas. E o que faz uma pessoa não gostar de si mesma são os pensamentos negativos.

E daí, já pensou em quantas afirmações negativas já fez e faz a seu filho?

As expressões: você é feio, você é burro, você não presta, você é mau e tantas outras só constroem pessoas temerosas. Com pensamentos negativos sobre si mesmos. E o que fica gravado no subconsciente dessas crianças e jovens é o desamor, e isso pode ser transferido para outras pessoas como desconfiança, medo e agressão.

Qual a capacidade desses seres poderem reagir positivamente para mudar seus pensamentos negativos se não foram preparados para tanto... Por isso, é tão importante o carinho, compreensão, amor a seu filho, com afirmações positivas, para levantar-lhe a auto-estima e mantê-lo com o astral elevado. Aí, raramente teremos o risco próximo de termos ao nosso lado pessoas negativas e destrutivas.

Quem leu o meu artigo de ontem, aqui no campograndenews, deve lembrar que sugeri a presença de psicólogas (os) e assistentes sociais nas escolas públicas e particulares, ou em um centro de atendimento onde possam ser acionados.

A bem da verdade, os pais também têm algum grau ou todos eles, de responsabilidade e por tanto precisam também desses auxílios. Embora muitos não admitam responsabilidade nesse quadro, devem ser lembrados da permissividade ao deixarem seus filhos fazerem o que querem sem medida. do não acompanhamento escolar da vida de seu filho e outros pecadilhos mais.

Às vezes acham mais cômodo evitar dizer não porque assim não precisarão “gastar tempo” em explicações nem sempre simples. Ou então, deixam de acompanhar com interesse e boa vontade a evolução escolar de sua filha (o) e quando presentes em reunião na escola fingem

não saber porque e pra que estão ali, até indignando-se com a má atitude

de estudante que não é sua cria.

A imprensa ainda não registrou caso de adoção por traficantes de estudantes que praticaram atos violentos nas escolas ou redondezas, o que deve levar ao maior comprometimento dos pais junto às escolas para saber como e o que fazer para não perderem seus filhos para o tráfico.

Esta é uma abordagem de um dos ângulos da questão da violência nas escolas, a partir dos problemas familiares que se irradiam na sociedade. É uma mostra de como cada um de nós pode colaborar, em casa, no trabalho e na comunidade em geral.

Assim, como creio na capacidade de reação positiva de pais, escolas, autoridades do Ministério Público, Judiciário, sistema correcional e a sociedade como um todo, lhes dou bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna é advogado e jornalista.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions