A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

23/06/2015 09:35

Finanças fora de controle

Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Não é fácil gerir as finanças públicas com projeções calculadas tão aquém do realizado. No Brasil, em quatro anos houve uma diferença acumulada de R$ 251 bilhões a menos na arrecadação prevista. Só em 2014 a diferença foi de R$ 110 bilhões, conforme dados publicados, constantes do relatório em apreciação no Tribunal de Contas da União. Como explicar? Se a arrecadação foi abaixo do previsto, o mesmo não aconteceu com as despesas, gerando déficits e aumento da dívida.

O mundo caminha para o buraco negro das finanças descontroladas. Quando teve início o lento processo da gestação da civilização do dinheiro, não se imaginava que no futuro surgiriam tantas incoerências. Naquela época, ainda se dava muita importância ao fator humano. Ao estudar a moeda, o economista italiano Ferdinando Galiani (1728-1787) focava o homem como objeto central de suas análises, colocando-o como o principal fator da geração da riqueza. No entanto, a verdadeira riqueza não está no homem nem no dinheiro, pois tudo provém da natureza. Através da expansão do uso da moeda surgiu a estrutura da economia dos Estados.

Muitos são os Estados com dívidas próximas ou acima do PIB. O interesse egoísta e a ânsia pelo poder se converteram no instrumento da transformação da sociedade aristocrática, mas de tal forma que esta tende para a desumanização. Isso não significa que a sociedade aristocrática fosse mais humana, pois o interesse egoísta ficava dissimulado sob a aparência de falso humanismo, e cristalizou-se na cruel prática da escravização, pois já era ideia corrente de que um povo, para enriquecer, teria de ser à custa do sacrifício de outros povos.

O dinheiro tem o seu fetiche, a sua força de atração. Em função de sua posse, os valores humanos foram sendo abandonados, pois mais importante se tornou o poder decorrente do acúmulo do capital pelos detentores e controladores, o que tem exercido forte influência nas condições atuais. O endividamento geral é volumoso. Os bancos emprestam na base de 20 para cada 1 disponível, gerando comprometimento dos depósitos e instabilidades permanentes.

A premente necessidade de dinheiro se tornou o centro das preocupações. As pessoas vão perdendo a profundidade, tornando tudo superficial, eliminando as individualidades, fragmentando, gerando a ânsia por divertimentos e prazeres, sufocando os ideais da vida. A ânsia por riqueza e poder gerou o mundo áspero e hostil, a desumanização e muitos desequilíbrios. A humanidade afastou-se das leis naturais, criou seus próprios postulados, mas está perdendo a disposição e a motivação para refletir sobre as questões essenciais para uma vida feliz.

Embora omisso na questão da evolução do dinheiro, do arranjo monetário de Breton Woods, do dólar e do euro, o secretário de Estado norte-americano, Henry Kissinger, apresenta em seu livro Ordem Mundial, excelente relato do jogo político global, no qual destaca como principais atores a Europa, Rússia, China e Estados Unidos, focalizando desde as guerras religiosas até chegar aos nossos dias. A questão monetária e cambial tem travado o desenvolvimento dos países retardatários pela ausência de parâmetros, ensejando a formação de um mercado altamente especulativo.

A legítima organização harmonizadora de toda a humanidade, para ser bem-sucedida, tem de respeitar a autonomia e individualidade dos povos, observar e respeitar as leis naturais da Criação, cujo funcionamento é de caráter universal, uniforme e imutável, pois atinge todas as nações e todas as regiões do planeta e do universo. Com a sua correta utilização, a humanidade avança no progresso real e no aprimoramento, gerando paz e felicidade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?” e “Desemvolvimento Humano”.
E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions