A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/05/2013 14:08

Fuso horário de Mato Grosso do Suuuuuuuuuuul...

Por Antônio Cézar Lacerda Alves (*)

O Presidente da República Ernesto Geisel ao dividir o Estado de Mato Grosso realizou o sonho e referendou a luta da nossa gente, mas, infelizmente, cometeu uma omissão imperdoável, ele deixou de nominar o outro estado de “Mato Grosso do Norte”. Isso mesmo! Ora, se ao nosso Estado, que também era Mato Grosso, foi acrescentado um ponto cardeal (Sul), ao outro estado também teria que ser acrescentado outro ponto cardeal (Norte). Vários exemplos confirmam essa assertiva: No Brasil temos o Rio Grande do Sul e o Rio Grande do Norte; nos Estados Unidos, a Carolina do Sul e a Carolina do Norte; no Planeta, o Polo Sul e o Polo Norte... E muitos outros exemplos mundo afora.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

A bem da verdade, com a divisão, nós e eles nos transformamos em “novos estados”; do contrário, se for para sermos “o novo” e eles “o velho” (“o que sobrou” “o remanescente”, “o resto”), então, efetivamente, teremos que mudar o nome do nosso Estado, pois nós não somos um apêndice do “Mato Grosso”.

Como se vê, realmente, esse erro existiu e, infelizmente, ele jamais será corrigido, pois o povo do outro estado não aceitará o acréscimo ao nome do seu estado e, sem a caneta de general, nenhum presidente terá a coragem que se faz necessária para promover a correção. Então, só nos resta nos resignarmos com os incômodos de sermos chamados pelo nome do outro estado, ou enfrentarmos a luta cívica que também se faz necessária pela mudança de nome do nosso Estado – que, sem muita delonga, poderia ser Campo Grande capital Campo Grande.

Mas, enquanto isso não acontece, e para evidenciarmos ainda mais a diferença que existe entre os dois Estados, poderíamos mudar o fuso horário de Mato Grosso do Sul, adiantando uma hora... Isso mesmo, por que não? Afinal, o Pará faz parte do fuso horário oficial do país (três horas a menos em relação a Greenwich) e, verticalmente, está na mesma posição geográfica de Mato Grosso do Sul.

E mais. Por muitos anos o Brasil adotou quatro fusos horários diferentes, entretanto, em 2008, com a aprovação da Lei n. 11.662, de 24 de abril de 2008, de autoria do senador Tião Viana (PT – AC), o país passou a adotar apenas três fusos horários. Essa lei alterou as alíneas “b” e “c” e revogou a alínea “d” do art. 2º do Decreto n. 2.784, de 18 de junho de 1913, e modificou os fusos horários do Estado do Acre e de parte do Estado do Amazonas (que eram “menos cinco horas” e passaram a ser “menos quatro horas” em relação ao fuso horário de Greenwich) e da parte ocidental do Estado do Pará que era “menos quatro horas” e passou, juntamente com o resto Estado, para o fuso horário Greenwich “menos três horas”. Essa medida teve como principal objetivo adequar os horários dos programas televisivos exibidos em rede nacional.

E não é só. Se o nosso Estado faz divisa também com Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Goiás, que fazem parte do fuso horário oficial, por que temos que seguir o fuso horário de Mato Grosso? Ademais, com certeza, não será difícil nos acostumarmos com o novo fuso horário, pois já estamos convivendo há décadas com as regras do horário de verão...

Com efeito, se o Pará pode ter o mesmo fuso horário de Brasília, se o Acre mudou o seu fuso horário e se queremos realçar nossa distinção em relação ao outro estado, por que não mudamos o nosso fuso horário?

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves é advogado.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



esse texto é bem descritivo e muito fácil de entender
 
juliana nascimento em 02/12/2013 16:05:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions