A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

10/05/2012 14:28

Garantia de qualidade

Luiz Gonzaga Bertelli*

Não há mais como negar a importância do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para regulamentar o exercício jurídico no país. A prova nada mais é do que a garantia para que bons profissionais, habilitados e capacitados, possam exercer a advocacia, uma das carreiras mais importantes à democracia. O exame é um mecanismo fundamental para proteger a sociedade dos riscos relativos à má operação do direito.

Com a proliferação desordenada de cursos jurídicos, a qualidade de ensino despencou, o que obrigou a OAB a criar uma prova, em 1994, para avaliar as condições dos bacharéis de exercer a profissão. Para ter uma idéia do crescimento dos cursos de direito, de 1997 até o ano passado, as faculdades que oferecem a disciplina passaram de 200 para 1,1 mil. Com o elevadíssimo percentual de reprovação, surgiram alguns movimentos de bacharéis contrários a obrigatoriedade do Exame da Ordem, que chegaram até o Supremo Tribunal Federal (STF) com argumentos como a baixa qualidade dos cursos. O STF indeferiu o pedido, reafirmando a constitucionalidade da prova.

Ora, o problema não está na dificuldade do exame e sim na formação deficiente oferecidas aos estudantes. Devido ao aumento desordenado, surgiram muitos cursos que não possuem condições básicas para a formação dos candidatos. Ausência de instalações adequadas, de bibliotecas específicas, de professores com títulos de mestrado ou doutorado são algumas das necessidades que não são cumpridas, o que pode prejudicar sobremaneira o aprendizado do aluno. Isso também fica comprovado nas altas taxas de aprovação de estudantes egressos das universidades mais tradicionais e conceituadas.

O último exame, que teve resultado divulgado neste mês, registrou um índice de aprovação de 23% dos inscritos na primeira fase – número expressivo, segundo a própria OAB. Cedo talvez para acreditar que o resultado seja um reflexo da melhora da qualidade do ensino de direito. Teremos que esperar mais um pouco para analisar outros resultados, torcendo para que a tendência dos níveis de aprovação em alta se mantenha.

Não defendemos aqui uma prova difícil, de alta complexidade, mas um exame que analise a competência do candidato para o exercício profissional, tendo a prática diária como foco fundamental. É por isso que os candidatos que fazem bons estágios em órgãos públicos ou em escritórios de advocacia ganham uma vantagem importante na hora de prestar a prova.

Afinal de contas, o convívio diário com profissionais experientes, com as letras jurídicas e com o dia a dia facilita a absorção de conteúdos, definições e questões de ordem prática, aumentando as chances de aprovação. Sem falar do desenvolvimento de posturas pessoais e éticas adequadas a um futuro advogado que pretenda honrar seu diploma.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions