A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

03/10/2013 09:02

Homens do verde

Por Heitor Freire (*)

Campo Grande, segundo o IBGE é a capital brasileira que tem a maior concentração de verde por habitante. Os mesmos dados revelam que Campo Grande é a capital mais arborizada do Brasil, com 96,3% das casas com a sombra de um arvoredo. Isto significa que de cada 100 domicílios, 96 deles têm a sombra de uma árvore. Outra característica da arborização de Campo Grande é a enorme quantidade de árvores frutíferas plantadas em calçadas, palmeiras e outras espécies que atraem inúmeros pássaros que fazem a alegria dos campo-grandenses e dos turistas.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

E essa condição da nossa cidade decorre diretamente da consciência de alguns homens públicos que se dedicaram a dotá-la de uma vegetação rica e variada. E isto desde sempre. O primeiro que assim agiu foi o intendente José Santiago, secundado nessa atividade pelo dr. Arlindo de Andrade, o primeiro juiz de Campo Grande, que aqui chegou por volta de 1909. Ele foi o 15º prefeito de nossa cidade. Em sua chácara, ele criou um verdadeiro criatório de plantas, trazendo mudas de diversas partes do país. Era um homem em comunhão com o verde.

Um homem público que não foi prefeito de Campo Grande mas que muito contribuiu para o acréscimo significativo da nossa área verde, foi o governador Pedro Pedrossian: dotou a nossa cidade com o Parque dos Poderes, uma área de puro verde, onde instalou o complexo político-administrativo do estado, com mais de 400 hectares e também o Parque das Nações Indígenas, o nosso Central Park, com 109 hectares no centro geográfico da nossa capital.

Campo Grande é bem servida de áreas verdes: O Parque das Nações Indígenas, do Sóter, do Prosa, Anhanduí, Horto Florestal, entre outras. Suas avenidas são pródigas com espécies, algumas centenárias. O mais correto seria afirmar que o encontro de pessoas certas na hora certa fez do povo da Cidade Morena herdeiro de tão significativo legado.

O quarto homem verde da nossa história foi Antônio de Albuquerque. Pernambucano, aventureiro, fugiu da escola e veio para o então estado de Mato Grosso tentar a sorte. Criou literalmente raízes nesta terra. Foi admitido como funcionário público municipal na década de 50, onde a sua paixão por plantas tornou-o responsável pela arborização das principais avenidas e praças de Campo Grande. Manteve o viveiro de mudas do Horto Florestal sempre ativo, fornecendo mudas para outras cidades e até mesmo para a capital do estado: Cuiabá.

O quinto homem verde da nossa história é Wisterman Chaparro. Desde 1963, quando foi admitido como funcionário da prefeitura, destacou-se com uma dedicação exemplar no trato das áreas verdes e logo depois assumiu o departamento de parques e jardins de Campo Grande. Foi o grande continuador da obra de Antônio de Albuquerque, com a mesma filosofia, trabalho e dedicação.

Chaparro chefiou esse departamento por mais de 30 anos. Como profissional competente e dedicado ele sempre procurou se aprimorar na profissão. Estagiou na chácara do renomado paisagista Burle Marx no Rio.

Neste mês em que se comemora o Dia da Árvore e o início da primavera, nada mais significativo do que homenagear esses homens que marcaram a história da nossa cidade.

Este carinho e orgulho que todos temos de mostrar nossas avenidas e parques arborizados, a oportunidade de assistir o vôo das araras, tucanos, maritacas, periquitos e tantas aves no alvorecer e entardecer é um privilégio inestimável do povo campo-grandense, juntamente com o alegre canto do sabiá.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis, advogado e jornalista.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions