A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

30/08/2016 09:25

Inesgotável capacidade de renovar a esperança

Por Levi Ceregato (*)

O pronunciamento da presidente Dilma Rousseff no Senado, na sessão de 29 de agosto, na qual apresentou sua defesa, não foi convincente quanto às pedaladas fiscais, prática muito danosa e atentatória às leis, justificando constitucionalmente o impeachment. Seu afastamento também atende a um anseio nacional, motivado pela indignação da sociedade ante escândalos de corrupção, desmandos e incompetência.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Concluído o processo, o grande desafio será recolocar o Brasil nos rumos do desenvolvimento. Nesse sentido, a recuperação da economia, sob um novo governo, é a prioridade mais urgente, pois a crise já provocou danos muito graves. A Abigraf (Associação Brasileira da Indústria Gráfica), juntamente com as regionais e entidades do setor, posicionou-se de modo firme e público em prol do impeachment da presidente.

O iminente impedimento, cujo rito ampara-se na legalidade, representa uma vitória democrática dos brasileiros. Contudo, o processo não pode terminar com a posse definitiva do presidente Michel Temer. É necessário que a troca de governo também represente, em termos práticos, uma nova atitude do Estado perante a população e as grandes prioridades nacionais.

Além do horizonte que se vislumbrou com o impeachment há uma dura realidade a ser enfrentada. É preciso recuperar a economia e recolocá-la num fluxo duradouro e sustentável de expansão, gerando empregos, estimulando investimentos produtivos e revitalizando as exportações, com uma estratégia consistente de comércio exterior e não apenas como consequência da valorização do dólar.

As expectativas dos brasileiros, porém, não se esgotam na economia. Afinal, para que seja sustentável e não continue mergulhando em crises intermitentes, são necessárias as tão reclamadas reformas tributária, trabalhista e previdenciária. Sua realização é essencial para desonerar a produção e conferir mais saúde fiscal ao Estado. Esperamos, ainda, que tenhamos mais estabilidade política, com a devida independência dos Três Poderes, mas com sinergia entre eles no tocante à defesa dos grandes interesses nacionais.

O brasileiro tem uma capacidade imensa de renovar a esperança. Todas as vezes em que há uma grande transformação política, conseguimos debelar o desânimo e voltamos a acreditar em nossa possibilidade de ser uma nação próspera, desenvolvida e justa.

Foi assim nas “Diretas Já”, em 1984, seguidas da posse, no ano seguinte, do primeiro presidente da República civil desde 1964, e também em 1992, quando ocorreu o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello.

Novamente, estamos vivenciando um processo de transformação política. É preciso aprender com os erros do passado para que, desta vez, a mudança realmente se reverta em avanços para o País e nosso povo.

O Brasil tem tudo para crescer, desenvolver-se e se converter em economia de renda alta. É isso que esperamos a partir do novo governo! Apesar de sermos imbatíveis em nossa capacidade de reciclar a esperança, temos arcado com sérias consequências por não sabermos aproveitar as oportunidades da história.

(*) Levi Ceregato é presidente da Abigraf Nacional (Associação Brasileira da Indústria Gráfica) e do Sindigraf-SP (Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo)

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions