A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

23/03/2011 16:51

Lúdio Coelho: morre o homem, fica a idéia

Por Marisa Serrano (*)

Ludio Coelho deixa um legado de seriedade, honestidade e compromisso, difícil de ver hoje em dia na política. O longo convívio que tivemos foi uma experiência enriquecedora. As conversas constantes que mantínhamos sobre política, economia e projetos de interesse do País sempre eram revestidas de lições que acrescentavam aspectos positivos ao rumo das coisas. Lúdio era um homem especial porque conhecia o mundo das elites e tinha notável experiência com os sentimentos do povo.

Ele sempre colocava imensa dose de generosidade em tudo que fazia, ponderando e analisando os acontecimentos de maneira peculiar, mostrando que a tolerância, a humildade e a honestidade deviam ser as principais marcas dos homens públicos. Foi assim que se formou uma verdadeira mitologia em torno de seus comentários sagazes sobre a vida política em nosso Estado.

Como prefeito de Campo Grande Lúdio começou a imprimir um processo de mudanças que permanece até hoje. Ele adotou na administração municipal duas regras básicas que garantiram o sucesso de sua gestão. Para ele, o dia a dia de uma cidade deve começar como numa casa de família: primeiro varre-se e faz-se a limpeza geral das ruas, calçadas, áreas verdes, prédios públicos; depois, verificam-se as contas, cuidando sempre para que a receita nunca ultrapassasse e a despesa. Simples assim, como ele e o seu jeito, “seo” Lúdio fez uma administração revolucionária, equacionando problemas que se

arrastavam havia anos na gestão do município.

Ele era um democrata pleno, um ser humano sensível e um político destituído de vaidade e melindres. Sabia ser objetivo em seus propósitos, defendendo com sinceridade e firmeza seus pontos de vista. Por isso, ao longo de sua vida pública, tornou-se uma referência para a classe política sul-mato-grossense e um modelo a ser seguido.

Acredito que personalidades como a dele estão se tornando raras no mundo da política. Lúdio era intransigente com os interesses gerais da sociedade. Ele jamais permitiu que houvesse mistura de interesses públicos e privados. Assim, ganhou respeito e credibilidade. Dessa forma, ganhará um merecido lugar em nossa história, deixando saudades e lágrimas nos olhos.

Suas idéias ficarão e permanecerão. Seu exemplo poderá ser transmitido pelas próximas gerações. Dependerá daqueles que acreditam em seu legado, estando dispostos a defender a importante herança que deixa para a nossa sociedade: desprendimento, seriedade e grandeza de espírito.

(*) Marisa Serrano é senadora da República pelo PSDB/MS.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions