A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

02/07/2015 09:36

Má dentição

Por Pedro Cardoso da Costa (*)

Pelo riso fácil e espontâneo dos brasileiros constata-se mais um problema sério, que outros mais graves dificultam a abordagem. A falta de dente ou dentes cariados, apesar de ser quase uma unanimidade no Brasil, não é vista como um problema. Segundo alguns comerciais de produtos, seriam 28 milhões de pessoas que possuem dentadura. É fato que os brasileiros não cuidam dos dentes, seja preventivamente, para evitar as cáries, seja depois, para tratá-los.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Dentre as várias causas sobressai o hábito de dar doces às criancinhas, a falta ou a escovação incorreta, os planos de saúde não cobrirem tratamentos dentários. Além desses problemas relacionados ao indivíduo, faltam ações governamentais de tratamento e de prevenção. Já quanto aos dentes estragados, o pior é o mau hálito, porém até a própria aparência fica prejudicada, bem como a dificuldade em comer alguns alimentos.

As cáries são perceptíveis em jovens e crianças, com maior destaque nas regiões mais pobres, como no Nordeste. A falta de dentes é mais frequente nas laterais, exatamente onde a escovação é mais deficiente. Todos conhecem pessoas que vão perdendo gradativamente os dentes, até ficarem sem nenhum. Aí surgem as inevitáveis dentaduras. Como esse problema atinge a quase todas as pessoas, a discussão torna-se difícil. Resta saber quais medidas adotar para solucionar.

A prevenção seria a solução definitiva para este como para qualquer outro problema. As prefeituras das pequenas cidades deveriam contratar um dentista para orientar a escovação correta nas escolas. Os professores poderiam contribuir verificando se as crianças estariam cuidando dos dentes. Sindicatos, empresas, igrejas, ongs, e entidades em geral poderiam firmar convênios com planos de saúde para baratear os tratamentos mais simples, permitindo o acesso das pessoas de menor poder aquisitivo ao dentista.

Toda faculdade de Odontologia deveria efetuar o tratamento bem acessível e mais barato com estagiários, sob a supervisão dos professores bem qualificados. A imprensa, os meios de comunicação, especialmente o rádio e a televisão, por iniciativa própria, deveriam debater com especialistas e com maior frequência.

Deveriam partir dos ministérios, das secretarias estaduais e municipais de saúde e de educação as ações duradouras. Além disso, convênios poderiam ser firmados entre os governos e as instituições de ensino superior de odontologia, mesmo privadas, para atendimento aos alunos das escolas de ensino fundamental e médio, já que as medidas preventivas teriam mais eficácia junto aos estudantes porque, além do cuidado consigo, se tornariam propagadores junto aos familiares e à comunidade. Os tratamentos mais complexos deveriam ficar a cargo dos governos estaduais e federal.

Os fabricantes de creme, de fio dental, de escovas e de qualquer produto para os dentes deveriam tomar a iniciativa de promover comerciais instrutivos sobre como cuidar adequadamente dos dentes.

Outro equívoco seria atribuir esse descuido somente à baixa escolaridade, embora nessas camadas sejam maiores os índices de desdentados. Ainda que analfabeto, ninguém amputa um dedo, uma perna, o pescoço por estarem doentes. Procura-se a cura. Os dentes integram o corpo como qualquer outra parte. O brasileiro não trata dos dentes por falta de dinheiro, por achar supérfluo, por falta de cultura e, principalmente, por não haver um alerta de ninguém. Quantos brasileiros sabem que toda vez que escova os dentes deve-se escovar também a língua?

Apesar de o tema ser de difícil abordagem, a omissão não deve preponderar, pois o objetivo não é criticar quem se depara com o problema, independente da causa, mas o de formar uma sociedade com dentes sadios. Não pode continuar o Brasil possuindo um dos maiores índices per capita de dentistas e uma das piores dentições do mundo.

De imediato seria importante parar o hábito de extrair. Depois, cuidar bem da boca para prevenir de novas cáries, depois tratar os dentes cariados. Os pais devem levar os filhos ao dentista. Todos os cidadãos deveriam reforçar a ideia de que a prevenção é a solução.

(*) Pedro Cardoso da Costa, bacharel em Direito, de Interlagos (SP)

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions