A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/09/2013 08:45

Mais médicos, mais saúde

Por Semy Alves Ferraz (*)

Diferentemente do acentuado corporativismo revelado por parte minoritária da categoria médica – ligada, em sua maioria, a empresas de saúde privada –, expressivos setores dos médicos e demais segmentos da sociedade civil brasileira têm-se manifestado espontaneamente, nas últimas semanas, a favor do programa Mais Médicos pelo Brasil afora. Até a grande mídia, depois de promover uma bizarra cruzada contra essa importante iniciativa do Governo Federal, começou a mostrar o outro lado dos fatos: a presença de médicos estrangeiros em nosso sistema de saúde, sua dedicação, seu respeito ao paciente e sua relação harmoniosa entre os demais profissionais.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Como tudo que é inovador, obviamente, um programa transformador de nossa perversa realidade social gera sempre controvérsias, sobretudo nos setores privilegiados de nossa população, ciosos de suas benesses, desde antes da República existir. Por conta disso, fiz contato com amigos que têm alguma convivência com médicos estrangeiros e me surpreendi com seus depoimentos. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, onde fazemos fronteira com dois países irmãos, Paraguai e Bolívia, há muitos profissionais estrangeiros que são uma referência para amplas camadas da população: pelo menos um pediatra na capital e três generalistas no interior, inclusive na fronteira, todos ligados ao SUS (Sistema Único de Saúde), aprovados em concurso público com boa pontuação, a despeito das dificuldades idiomáticas e da legislação específica.

Assim como em reveladora reportagem de um influente diário paulistano, depoimentos de famílias atendidas na ESF (Estratégia de Saúde da Família, antigo PSF) do interior do estado dão conta de terem um atendimento igual ao realizado em consultório particular, onde o médico dedica mais tempo que os tristemente clássicos cinco minutos por paciente da saúde pública. Além da dedicação ao paciente, os chamados médicos estrangeiros solicitam exames, encaminham a especialistas, solicitam acompanhamento pela equipe da ESF, fazendo com que os princípios do SUS sejam de fato cumpridos pelo gestor. Isso, é claro, não significa a grande maioria dos nossos não o façam – até porque o SUS é uma conquista do memorável Movimento da Reforma Sanitária, cuja imensa maioria era constituída de médicos de vanguarda, protagonistas de uma de nossas maiores e mais emblemáticas conquistas sociais.

Aliás, em recente artigo publicado na grande mídia, uma pesquisadora de um centro de excelência em saúde pública da USP (Universidade de São Paulo) resgatava a origem do SUS e o significado do então Programa Saúde da Família (hoje ESF) na consolidação desse importante patrimônio do povo brasileiro. Isso nos leva ao reconhecimento do gesto do saudoso sociólogo e deputado federal Florestan Fernandes, quando enfrentava um câncer e recebeu o convite de influentes políticos, ex-alunos seus, para buscar tratamento nos Estados Unidos, e ele, coerente com sua trajetória de vida, agradeceu mas recusou, preferindo ser atendido pelo nosso muitas vezes enxovalhado SUS. Ocorre que ele como ninguém sabia o valor do sistema de saúde construído pela democracia brasileira.

Mais que um justo tributo ao bravo cidadão Florestan Fernandes, que, filho de uma viúva que sobreviveu e custeou os estudos do filho lavando e passando roupas com dignidade, este exemplo de quem deu a vida em nome das liberdades democráticas de que hoje gozamos sirva de alicerce para forjar o caráter – sim, o caráter acima de tudo – das novas gerações de profissionais brasileiros, para construir um país justo, solidário e libertário que a nação tanto clama e reclama desde sempre.

(*) Semy Ferraz é engenheiro civil e secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação de Campo Grande.

 

 

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa devido à desigualdade na formação educacional, onde o pobre acaba excluído em concorrência desleal, através de Universidades Públicas para não ter um retorno digno através do serviço público obrigatório. Isso tem que acabar! Médicos Estrangeiros já ou revalida para todos os médicos, inclusive os mais antigos que não se reciclaram.
 
Carlos Magno em 02/10/2013 15:23:57
Parabens Semy pela ótima matéria, penso que a partir de agora sera incluído no currículo dos novos médicos formados no Brasil o conceito que o POBRE, usuário do SUS, deve e tem direito de ser tratado com respeito o que até então não fazia parte do mesmo, ainda tenhamos ainda que importar médicos para mostrar que esta profissão não é so uma máquina de ganhar dinheiro. E os médicos mais antigos que não têm esta filosofia de trabalho vão ter que se reciclar ou perderão o lugar para os estrangeiros e novos formado.
 
inge cles oliveira em 23/09/2013 11:58:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions