A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

20/02/2014 13:47

Meio século de história

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Cinquenta anos atrás, surgia no Brasil a modalidade de capacitação prática que ficou conhecido como estágio. Nela, o estudante completa os conhecimentos adquiridos na universidade com a atuação prática nas empresas. Com isso, ganhava o aluno, que iria aprofundar seus conhecimentos na carreira para a qual estava estudando, e as empresas, que treinariam novas gerações de talentos para complementar seus quadros. Hoje o estágio é uma realidade, regulamentado por uma lei específica (Lei 11.788/2008), abrangendo estudantes do ensino médio, técnico, tecnológico e superior.

Quem desenvolveu essa prática como o primeiro agente de integração no Brasil, foi o CIEE – entidade filantrópica de caráter de assistência social ¬¬– que nasceu com o intuito de promover a inserção dos jovens no mercado de trabalho.

A instituição está comemorando nesta semana meio século de atividades em favor da juventude com números superlativos: ao longo do percurso, encaminhou 13 milhões de jovens para estágio em 250 mil empresas. Um feito extraordinário para uma organização não-governamental que percorreu todos esses anos em meio às instabilidades políticas econômicas e sociais, e cresceu com a ideia de responsabilidade social, solidariedade e cidadania.

Da primeira sede, instalada numa casa no tradicional bairro do Bixiga, para os 350 pontos de atendimento por todo o Brasil, houve um processo de crescimento movido pela vontade de servir à população, principalmente nas áreas carentes, onde a inclusão no mercado de trabalho sempre foi uma tarefa mais complicada. Para capacitar esses estudantes foram elaborados cursos de desenvolvimento estudantil, de educação à distância, alfabetização e suplência de jovens e adultos e programa de inclusão de pessoas com deficiência.

Nos últimos dez anos, o CIEE investiu também na aprendizagem, pelo programa Aprendiz Legal, uma parceria com a Fundação Roberto Marinho, que insere, no mundo do trabalho, jovens entre 14 e 24 anos. Atualmente 60 mil jovens estão em capacitação pelo programa, na maioria deles, provenientes de áreas de vulnerabilidade social. Nesses 50 anos de vida, a missão do CIEE foi mais do que cumprida, mas a instituição já pensa no futuro com atividades que contribuam para a capacitação e ampliação de oportunidades profissionais à juventude, visando sua inclusão no mercado de trabalho e o consequente exercício de cidadania.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Fui estagiário, e pelo CIEE ainda! :D

Bons tempos em que eu fazia do café até a manutenção de servidores Linux e dos serviços VoIP do DNIT... isso já em 2005!

Bons tempos mesmo (sem ironia). :D
 
Guaraci Mendes em 20/02/2014 14:35:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions