A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

01/11/2011 17:46

“Mene, Mene, Tequel” UFMS

Por Waleska Mendoza*

Belsazar, o monarca do Império Babilônico, neto de Nabucodonosor, “em seu orgulho e arrogância, com um temerário senso de segurança, deu um grande banquete a mil dos seus grandes, e bebeu vinho na presença dos mil". Dan. 5:1. Todas as atrações que a riqueza e o poder podem proporcionar, acrescentavam esplendor à cena. Belas mulheres com seus encantos estavam entre os hóspedes em atendimento ao banquete real. Homens de capacidade e educação estavam presentes. Príncipes e estadistas bebiam vinho como água, e se aviltavam sob sua enlouquecedora influência. A razão destronada pela despudorada intoxicação, os mais baixos impulsos e paixões agora em ascendência, o rei em pessoa tomou a dianteira na desbragada orgia. Ao prosseguir a festa, ele "mandou trazer os vasos de ouro e de prata, que Nabucodonosor ... tinha tirado do templo que estava em Jerusalém, para que bebessem por eles". O rei queria provar que nada era demasiado sagrado para que suas mãos tocassem. "Então trouxeram os vasos de ouro... e beberam por eles o rei, os seus grandes, as suas mulheres e concubinas. Beberam o vinho, e deram louvores aos deuses de ouro, e de prata, de cobre, de ferro, de madeira, e de pedra." Dan. 5:2-4.

Veja Mais
A Odisseia da Chape
Comunicação da qualidade dos alimentos

Mal imaginava Belsazar que havia uma Testemunha celestial de sua grosseira idolatria; que um divino Vigia, incógnito, olhava a cena de profanação, ouvia a sacrílega hilaridade, contemplava a idolatria. Mas logo o Hóspede não convidado fez sentir a Sua presença. Quando a orgia ia alta, uma pálida mão apareceu, e traçou na parede do palácio caracteres que luziam como fogo - alavras que, embora desconhecidas ao vasto auditório, eram um sinal de condenação ao rei, agora ferido em sua consciência, e seus hóspedes.

Cessou a ruidosa festa, enquanto homens e mulheres, possuídos de terror, observavam a mão traçando os misteriosos caracteres. Perante eles passaram-se, como numa visão panorâmica, as obras de suas vidas más; parecia-lhes estarem citados ante o tribunal do eterno Deus, cujo poder eles acabavam de desafiar. Onde apenas poucos momentos antes havia hilaridade e ditos blasfemos, viam-se agora faces pálidas e exclamações de terror. Quando Deus faz os homens temer, eles não podem ocultar a intensidade desse terror.

Belsazar era o mais aterrorizado de todos eles. Era ele que, sobre todos os demais, tinha sido responsável pela rebelião contra Deus, que nessa noite alcançara o seu apogeu no domínio babilônico. Na presença da invisível Testemunha, representante dAquele cujo poder tinha sido desafiado e cujo nome fora blasfemado, o rei sentiu-se paralisado de temor. A consciência despertou. "As juntas dos seus lombos se relaxaram, e os seus joelhos bateram um no outro." Belsazar se levantara impiamente contra o Deus do Céu, e tinha confiado em seu próprio poder, não supondo que alguém ousasse dizer: "Por que fazes isto?" Mas agora sentia que precisava prestar contas da sua mordomia, e que por suas oportunidades malbaratadas e desafiadora atitude não podia apresentar escusas.

Em vão o rei procurou ler as letras de fogo. Mas ali estava um segredo que ele não podia compreender e um poder que ele não podia nem compreender e nem contestar. Em desespero ele se voltou para os sábios do reino em busca de auxílio. Suas desvairadas exclamações irromperam na assembléia, chamando os astrólogos, os caldeus, os adivinhos, para que lhe lessem a escritura. "Qualquer que ler esta escritura", ele prometeu, "e me declarar a sua interpretação, será vestido de púrpura, e trará uma cadeira de ouro ao pescoço, e será no reino o terceiro dominador." Mas de nada adiantaram seus apelos a seus acreditados conselheiros com promessas de rica recompensa. A sabedoria celestial não pode ser comprada ou vendida. "Todos os sábios do rei... não puderam ler a escritura, nem fazer saber ao rei a sua interpretação." Dan. 5:6-8. Eles não eram mais capazes de ler os misteriosos caracteres do que tinham sido os sábios da geração anterior de interpretar os sonhos de Nabucodonosor.

Então a rainha-mãe se lembrou de Daniel que, cerca de meio século antes, tinha feito conhecer ao rei Nabucodonosor o sonho da grande imagem e sua interpretação. "Ó rei, vive para sempre" disse ela. "Não se turbem os teus pensamentos, nem se mude o teu semblante. Há no teu reino um homem, que tem o espírito dos deuses santos; e nos dias de teu pai se achou nele luz, e inteligência, e sabedoria, como a sabedoria dos deuses; e... o rei Nabucodonosor... o constituiu chefe dos magos, dos astrólogos, dos caldeus, e dos adivinhadores; porquanto se achou neste Daniel um espírito excelente, e ciência e entendimento, interpretando sonhos, e explicando enigmas, e solvendo dúvidas, ao qual o rei pôs o nome de Beltessazar. Chame-se pois agora Daniel e ele dará a interpretação.

"Então Daniel foi introduzido à presença do rei." Fazendo um esforço para reconquistar sua compostura, Belsazar disse ao profeta: "És tu aquele Daniel, dos cativos de Judá, que o rei, meu pai, trouxe de Judá? Tenho ouvido dizer a teu respeito que o espírito dos deuses está em ti, e que a luz, e o entendimento e a excelente sabedoria se acham em ti. Acabam de ser introduzidos à minha presença os sábios e os astrólogos, para lerem esta escritura, e me fazerem saber a sua interpretação; mas não puderam dar a interpretação destas palavras. Eu, porém, tenho ouvido dizer de ti que podes dar interpretações e solver dúvidas. Agora, se puderes ler esta escritura, e fazer-me saber a sua interpretação, serás vestido de púrpura, e terás cadeia de ouro ao pescoço, e no reino serás o terceiro dominador." Dan. 5:10-16.

Diante desta aterrorizada aglomeração, Daniel, insensível às promessas do rei, permanecia na tranqüila dignidade de um servo do Altíssimo, não para pronunciar palavras de adulação, mas para interpretar uma mensagem de condenação. "Os teus dons fiquem contigo", ele disse, "e dá os teus presentes a outro; todavia lerei ao rei a escritura, e lhe farei saber a interpretação."

O profeta primeiro lembrou a Belsazar assuntos que lhe eram familiares, mas que lhe não tinham ensinado a lição de humildade que poderia tê-lo salvo. Ele falou do pecado e queda de Nabucodonosor, e do trato do Senhor para com ele - o domínio e glória que lhe foram concedidos, o juízo divino por seu orgulho e subseqüente reconhecimento do poder e misericórdia do Deus de Israel; e então com palavras ousadas e enfáticas ele repreendeu a Belsazar por sua grande impiedade. Ele trouxe o pecado do rei ante este, mostrando-lhe as lições que ele podia ter aprendido mas não aprendeu. Belsazar não tinha compreendido corretamente a experiência de seu avô, nem acatara as advertências de fatos tão significativos para si. A oportunidade de conhecer e obedecer ao verdadeiro Deus tinha-lhe sido dada, mas não tinha sido levada ao coração, e ele estava prestes a colher as conseqüências da sua rebelião.

"E tu... Belsazar", o profeta declarou, "não humilhaste o teu coração, ainda que soubesses tudo isto. E te levantaste contra o Senhor do Céu, pois foram trazidos os vasos da casa dEle perante ti, e tu, os teus grandes, as tuas mulheres e as tuas concubinas, bebestes vinho por eles; além disto, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida, e todos os teus caminhos, a Ele não glorificaste. Então dEle foi enviada aquela parte da mão, e escreveu-se esta escritura".

Tornando à mensagem do Céu escrita na parede, o profeta leu: "MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM." A mão que havia traçado os caracteres não se via mais, mas estas quatro palavras estavam ainda luzindo com terrível clareza; e agora com a respiração suspensa o povo estava atento enquanto o idoso profeta declarava:

"Esta é a interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino, e o acabou. TEQUEL: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. PERES: Dividido foi o teu reino, e deu-se aos medos e aos persas." Dan. 5:17-28.

Nessa última noite de louca orgia, Belsazar e seus grandes tinham enchido a medida de sua culpa e da culpa do reino caldeu. A mão de Deus não mais desviaria o mal impendente. Através de multiformes providências, Deus tinha procurado ensinar-lhes reverência por Sua lei. "Queríamos sarar Babilônia", declarou Ele a respeito daqueles cujo juízo agora alcançava o Céu, "mas ela não sarou." Jer. 51:9. Em virtude da estranha perversidade do coração humano, Deus achou ser necessário afinal passar a irrevogável sentença. Belsazar devia cair, e seu reino devia passar a outras mãos.

Mais de um século antes a Inspiração havia predito que "a noite que eu desejava", quando o rei e seus conselheiros se rivalizariam em blasfêmias contra Deus, seria mudada subitamente numa ocasião de destruição e temor. E agora, em rápida sucessão, momentosos eventos seguiam-se uns aos outros exatamente como tinham sido retratados pelas escrituras proféticas anos antes que os principais personagens do drama tivessem nascido.

Enquanto ainda no salão de festas, rodeado por aqueles cuja sorte tinha sido selada, o rei foi informado por um mensageiro que "a sua cidade foi tomada" pelo inimigo contra cujos planos ele se imaginara seguro; que "os vaus estão ocupados... e os homens de guerra ficaram assombrados". Jer. 51:31 e 32. No exato momento em que o rei e seus nobres estavam bebendo pelos vasos sagrados de Jeová, e louvando a seus deuses de prata e outro, os medos e persas, havendo desviado do seu leito o Eufrates, estavam marchando para o coração da cidade desguarnecida. O exército de Ciro estava agora sob os muros do palácio; a cidade estava cheia de soldados inimigos "como de pulgão" (Jer. 51:14), e seus gritos triunfantes podiam ser ouvidos sobre o desesperado clamor dos foliões atônitos.

"Naquela mesma noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus" (Dan. 5:30), e um rei estrangeiro ocupou o trono.

Assim, "os largos muros de Babilônia" foram "totalmente derribados, e as suas portas excelsas... abrasadas pelo fogo". Assim Jeová dos Exércitos fez "cessar a arrogância dos atrevidos", e abateu "a soberba dos tiranos". Jer. 51:58.

"Babilônia, o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus", tornou-se como Sodoma e Gomorra - um lugar para sempre amaldiçoado. "Nunca mais será habitada", a Inspiração havia declarado, "nem reedificada de geração em geração; nem o árabe armará ali a sua tenda, nem tão pouco os pastores ali farão deitar os seus rebanhos. Mas as feras do deserto repousarão ali, e as suas casas se encherão de horríveis animais; e ali habitarão as avestruzes, e os sátiros pularão ali. E as feras que uivam gritarão umas às outras nos seus palácios vazios, como também os chacais nos seus palácios de prazer." Isa. 13:11, 19-22. "E reduzi-la-ei a possessão de corujas e a lagoas de águas, e varrê-la-ei com vassoura de perdição, diz o Senhor dos Exércitos." Isa. 14:23. “ Ellen G. White, Profetas e Reis (grifos acrescidos)

Disse Jesus: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” João 8:12

Uma universidade que rejeita e proíbe a divulgação da Palavra de Deus insulta e desafia o próprio Deus Altíssimo. As autoridades da UFMS ao me proibírem e me punirem com suspensão por também inserir a Palavra de Deus nos documentos oficiais que assino, ignoram que há um Deus nos Céus observando sua obra vil de excluírem a Luz das Escrituras Sagradas, e por isso tateiam em trevas, sua gestão torna-se antidemocrática, refratária à dignidade da pessoa humana, totalitária. Porém, na ascensão, decadência e ruína do império babilônico podemos verificar que, verdadeiramente, “a soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda” Provérbios 16:18.

“Os sábios são envergonhados, espantados e presos; eis que rejeitaram a palavra do SENHOR; que sabedoria, pois, têm eles?” Jeremias 8:9.

Mene, Mene, Tequel UFMS! Pesada foste na balança dos Céus, e foste achada em falta, por isso a tua infalível sentença está prestes a ser executada pelo Tribunal do Soberano Legislador e Juiz do Universo!

(*) Waleska Mendonza é servidora pública federal CPAN/UFMS

A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...
Tendências e atitudes
Professores e economistas como Simão Davi Silber, Ricardo Amorim, Zeina Latif, entre outros sinalizam melhoras na economia para os próximos anos. Enq...



uma coisa eu concordo com ela, todo mundo lá pode expor publicamente a opção homossexual, mas divulgar trechos biblicos é crime
 
Thiago Feltrin em 05/11/2011 11:37:53
Vamos supor a situação: a ufms cai por terra assim como o império por ela citado. Onde a senhora waleska vai trabalhar ? de onde irá obter o salário para sua subsistência ? Não apenas ela mas as centenas de funcionários e professores que trabalham na ufms, sem contar os milhares de acadêmicos que perderiam a chance de estudar e se formar e trabalhar pelo país.
 
Thiago Feltrin em 05/11/2011 10:28:29
Vivemos em uma país laico, ainda bem.
Ninguém é obrigado a ter que escutar, ler ou ver o que não é de sua fé.
Impor a tal "palavra de deus" em documentos é o cúmulo, e quem for de outras religiões, ou mesmo, quem não tem religião ter que ficar vendo isso todo dia, fere o seu princípio de liberdade, cada um escolhe seu caminho, não precisamos de uma ditadura religiosa.
 
Augusto Ferreiro em 02/11/2011 03:35:06
Que não te aflija o coração, não queira dar perolas aos porcos, a palavra de Deus deve ser para os que a querem quardar no coração e pratica-la com o amor de Jesus, quem a rejeita não verá a Deus e sua maravilhas...abraços
 
Orivaldo Duarte em 01/11/2011 09:36:34
Waleska, se o seu superior imediato com base na Lei diz pra vc não fazer, vc tem 2 opções:

1. Faz, é advertida verbalmente. Faz de novo e é advertida por escrito. Insiste e faz mais uma vez e então é suspensa.
2. Estude a Lei (8112/90 é uma delas) e embase seus argumentos em preceitos legais.

Não se faça de vítima, ao insultar a UFMS vc agride todos nós servidores.
 
Ernesto Alves Biachi em 01/11/2011 09:09:56
Parabéns pela coragem de testemunhar do Poder de Deus revelado nas Escrituras Sagradas.
 
Mauro J. da Silva em 01/11/2011 07:12:14
Fica em paz serva, que Deus dara recompensa aos seus escolhidos; Os fins dos tempos estão chegando e todos preocupados com ouro e prata, faça sua parte, sofra com Cristo que seremos participantes das suas promessas.abraços.Fica com DEUS.
 
Lessandra da S . A Marques em 01/11/2011 06:30:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions