A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

31/05/2013 08:22

Mesquita e Civita: um jornalismo de combate em defesa da liberdade!

Por Fábio Trad (*)

Em menos de uma semana, entre os dias 21 e 26 de maio, a imprensa brasileira perdeu duas de suas mais notáveis figuras contemporâneas.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Com a morte de Ruy Mesquita, de O Estado de São Paulo, e de Roberto Civita, da Editora Abril, desaparecem dois expoentes de um restrito grupo de empresários da mídia brasileira que, sob toda e qualquer circunstância, sempre colocou a independência editorial acima dos interesses comerciais, e a liberdade de imprensa como valor democrático inegociável – fosse frente a pressões do arbítrio, fosse ante as insinuações de vantagens em troca do silêncio cúmplice ou de louvações hipócritas.

A amarga coincidência que impôs ao Brasil o desaparecimento, em tão curto lapso, desses dois expoentes da imprensa nacional, não só resgata, por via dolorosa, a memória de um passado ainda recente, de combate corajoso, às vezes até quixotesco, contra o obscurantismo prepotente da censura, como também recobra a história de um período extremamente fértil do jornalismo brasileiro.

Nascidos em intervalo de pouco mais de dois anos, o Jornal da Tarde (1966) e a revista Veja (1968) se consagrariam, nas décadas seguintes, como veículos de vanguarda da imprensa brasileira, e, durante a ditadura, como postos avançados na longa luta pelo restabelecimento das liberdades democráticas.

Sob a inspirada direção de Ruy Mesquita, o Jornal da Tarde surgiu como inovação extraordinária ao reproduzir, com a competência de jornalistas então considerados os ‘melhores textos’ do país, o modelo do chamado ‘new journalism’ norte-americano.

Ao temperar informação objetiva com criatividade literária, o ‘novo jornalismo’ do Jornal da Tarde, bancado com entusiasmo pelo ‘Doutor Ruy’, trouxe renovação estética e frescor poético para a reportagem, influenciado inúmeras outras iniciativas editoriais, especialmente semanários focados no combate à ditadura militar.

Mais tarde, ao assumir a direção editorial de “O Estado de S. Paulo”, Ruy Mesquita manteve a honrosa tradição familiar, que confirma a vocação democrática do jornal centenário, como veículo moderno de expressão de múltiplas e díspares opiniões, sem prejuízo de sua inspiração liberal.

Por seu turno, a Editora Abril, que antes já publicara a Realidade, considerada por muitos a melhor revista brasileira de todos os tempos, lançava, em 1968, a Veja. Esta, sob a direção do intrépido Victor Civita, se tornaria um marco da imprensa brasileira, e uma referência permanente do jornalismo contemporâneo.

Ao assumir, com a morte de Victor Civita, a direção da Editora Abril, Roberto Civita levaria para o comando do grupo o patrimônio de conhecimento e sensibilidade que, agora, ao enaltecer sua memória, o diretor-presidente do Grupo Folha, Luis Frias, definiu como “a mais sofisticada combinação de empresário e editor”.

O empenho incondicional de Roberto Civita pela educação como ferramenta insubstituível na construção de uma sociedade plural e fecunda será, por si só, uma referência que honra sua biografia e engrandece sua geração.

Mais do que, pela importância editorial dos veículos que criaram ou expandiram e consolidaram, sem jamais transigir com a garantia da livre manifestação de idéias, o maior patrimônio que Ruy Mesquita e Roberto Civita deixam como herança valiosa, para o Brasil de hoje e do futuro, é a generosa convergência do compromisso de ambos com a democracia, com os fundamentos da modernização social e do desenvolvimento econômico.

Sem nenhum favor, as trajetórias de Ruy Mesquita e de Roberto Civita os colocam, na crônica do Brasil contemporâneo, como combatentes pela liberdade de expressão, quando responderam com coragem e desassombro às agressões e perversões da ditadura.

Afastados os tempos trevosos da ditadura, os dois seguiram em suas trincheiras, empenhados na difícil consolidação da democracia incipiente, comprometidos com o livre fluxo das idéias e com construção dos paradigmas de uma sociedade socialmente mais justa e economicamente mais próspera e plural.

Por tudo isso, Ruy Mesquita e Roberto Civita farão muita falta ao Brasil.

(*) Fábio Trad é advogado e deputado federal pelo PMDB de Mato Grosso do Sul.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions