A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

19/12/2013 07:59

Nadando contra a correnteza

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

As analogias aquáticas parecem ter saído de moda, mas convém resgatá-las para debater os resultados de uma inédita pesquisa feita pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI) sobre o padrão de vida do brasileiro. Por meio de entrevistas com mais de 2 mil pessoas de 143 municípios, a CNI, em parceria com o Ibope, mapeou a mobilidade social sob a ótica dos próprios brasileiros. Apesar de chegarem a resultados positivos – 77% dos entrevistados consideraram o padrão de vida melhor ou muito melhor do que o dos seus pais –, captaram que a possibilidade de ascensão econômica é diferente nas mais diversas regiões do Brasil.

Veja Mais
A atuação das empresas na era do talentismo
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna

O fato é que os avanços não eliminaram certa desesperança que mina, com mais ou menos força, o crescimento social dos brasileiros. Nada menos do que 35% deles avaliam que a possibilidade de ascensão está igual ou mais difícil hoje. Ao contrário do se imaginaria, as dificuldades são maiores na região sudeste, onde 45% dizem que a possibilidade de mobilidade social é igual ou pior do que antes. No nordeste, o índice é de 26%; norte/centro-oeste, 26%; e sul, 31%.

A pesquisa não se debruça sobre esse aspecto, mas certamente o competitivo mercado de trabalho da região mais desenvolvida do país impacta esses resultados. Tudo começa já na conquista da primeira oportunidade: candidatos competem por vagas com requisitos cada vez mais rigorosos. Quem não tem recursos para investir em formação profissional, já no começo da carreira tem de dar mais braçadas para vencer a forte correnteza. Qualquer iniciativa que ofereça diferenciais competitivos para os jovens socialmente vulneráveis mostra-se, portanto, uma valiosa ação de assistencial. Não por outra razão, os estados em que o CIEE – com seus cursos gratuitos e milhares de vagas diárias para estágio e aprendizagem – é mais pertencem ao sudeste.

Aliás, hoje, São Paulo ganhará um novo polo de preparação para o mercado de trabalho: o Centro de Capacitação Técnica CIEE Mooca (Rua Barão de Monte Santo, 435), que nos primeiros meses de 2014 abrigará cursos gratuitos de preparação profissional, ministrados em parceria com o programa Via Rápida Emprego e o Centro Paula Souza, oferecido pelo governo estadual, além de laboratórios de informática.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

 

A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions