A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

07/04/2016 16:10

Não à doutrinação professoral!

Por Gustavo Soares (*)

Campo Grande tem passado, nos últimos dias, por uma polêmica quanto ao conteúdo do projeto de lei municipal nº 8.242 , que versa sobre os limites dos professores quando no ato de ensinar, em sala de aula. As discussões se acirraram, estando os reacionários à lei usando o mote: “ensinar é um ato político”. Só essa frase já bastaria para demonstrar quem está com a razão.

A relação na sala de aula se resume a um detentor de conhecimento, referencial e exemplo para os alunos, muitas vezes tarimbado e experiente em discussões, e uma sala de aula formada por crianças e jovens imaturos, ainda em fase de aprendizagem, sem o devido senso crítico, formado ao longo da vida, no decorrer do processo de apreender a realidade que os cerca, podendo ser facilmente cooptados para essa ou aquela corrente de pensamento. A Lei tenta apenas barrar a atuação abusiva de um professor, que, no seu papel de ascendência sobre seus pupilos, utilize suas prerrogativas para angariar sócios para o seu clube. 

Não escrevo isso para defender políticos. Sou radical nesse ponto. Acho que não há nenhum dessa espécie inocente. No entanto, não posso correr de me solidarizar à Lei, que é de grande valia, buscando limitar a atuação de um professor ao aspecto eminentemente técnico da pedagogia. Já é um grande feito se, após a vida escolar dos alunos, estes tivessem a noção mínima sobre os diversos campos do conhecimento, o que não se tem visto atualmente, sendo 90% dos alunos saídos do segundo grau analfabetos funcionais. Não é à toa que mais de 500.000 alunos tiraram nota zero no Enem 2014.

Quanto à polêmica mesma, a gritaria maior veio do espectro progressista da sociedade, que se viu tolhido de uma de suas estratégias, a de ocupação de espaços, ensinada pelo político marxista italiano Antonio Gramsci. Tal mecanismo busca, de forma sutil e sorrateira, que se entre em espaços que possam ser usados para influências futuras, como escolas, igrejas, universidades, imprensa, a ponto de se criar o arquétipo do “poder onipresente e invisível de um imperativo categórico”. Ou seja, que as idéias de esquerda adentrem a miscelânea cultural e passem a automaticamente referenciarem as opiniões, decisões, ensinamentos, etc. Já se vê, em diversos níveis, que tal estratégia está presente, estando a agenda progressista aos poucos se impondo, haja vista as discussões sobre aborto, sexualidade, liberação de drogas, etc. Mesmo a suposta afronta aos artigos da constituição federal, em especial o 206, são sem fundamento.

O projeto de lei não impede a discussão sobre o pluralismo político. Incentiva até. Impede que apenas um lado das discussões seja elogiado, cortejado, imposto muitas vezes. Nesse ponto há uma proteção especial aos alunos e aos seus responsáveis, que terão instrumentos para se defender.

À família, o seu papel. À escola, o seu. A delimitação das suas funções é benéfica para ambos os lados. Teríamos alunos mais respeitosos e preparados para o aprendizado e professores atinentes ao seu dever, o ensino técnico. Os países somente progrediram quando a educação foi levada a sério, e a capacitação para as diversas funções foi aprimorada tecnicamente, trazendo benefícios para toda a sociedade. A preocupação com a formação técnica dos alunos foi primordial para que isso ocorresse. E a apropriação da escola para fins políticos só prejudica esse importantíssimo princípio da educação.

Não, ensinar não é um ato político. A própria etimologia da palavra indica que ensinar é “colocar uma marca em, gravar”. E essa marca não pode, de nenhuma forma, ser um carimbo ideológico, ou servir como uma marcação para diferenciar qual bovino pertence a qual rebanho. Não sejamos tão coniventes a ponto de permitir que tal aberração prospere. A lei vem em boa hora. Que vá adiante e seja promulgada.

(*) Gustavo Soares é pai e engenheiro civil.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions