A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

12/04/2015 14:00

Nova depilação à cera: por que as mulheres não a trocam por nada?

Por Thiago Samuel (*)

Há muitos anos, quando entrei para o segmento de franquias, me dediquei a estudar e conhecer o complexo universo feminino. Passei a conviver mais com elas e, entender a busca incessante que geralmente tem com a beleza. Percebi o quanto estão dispostas até a sofrerem, o quanto são resistentes à dor, para ficarem mais belas.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Nessas análises, uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a depilação. Percebi muitos impasses nesse assunto. Algumas optavam pela lâmina porque temiam sentir dor com outros métodos. Contudo, reclamavam constantemente do quanto aquele procedimento engrossava e muitas vezes até encravava os pelos. Isso sem falar nas axilas e virilhas que, segundo elas, ficavam sempre escurecidas.

As mais modernas queriam experimentar o laser, a nova sensação do mercado de depilação. Apesar da promessa de ser um milagre, muitas se queixavam da dor quase insuportável dos pelos sendo literalmente queimados pelo raio de luz. Mas, tudo valeria a pena, na concepção delas, por um método definitivo.

Imagine senti uma dor gigantesca, mas nunca mais recusar um convite para praia ou piscina por estar com a depilação em dia? Parecia o sonho de todas! Mas, nem sempre era assim. Muitas, quando finalizavam o tratamento, reclamavam que os pelos voltavam a aparecer e, a incógnita sobre o melhor método para se depilar voltava com força total!

Fui então pesquisar o método aparentemente mais rejeitado pelas mulheres: a cera. Sentia que junto com os pelos aquela espécie de cola arrancava também a pele, a alma e por que não dizer, até a dignidade da mulher. Embora muito eficiente na remoção do pelos, já que o faz pela raiz, a tortura envolvendo o procedimento afastava boa parte delas.

O método também não parecia ser dos mais higiênicos. Muitas suspeitavam que a cera era derretida novamente e reutilizada em outras clientes. O risco de uma infecção era grande. A pele ficava vermelha e quase febril com tamanha agressão. Era um verdadeiro show de horror.

Passei então a me dedicar para encontrar um método que fosse realmente eficaz e que não causasse tamanho sofrimento. Fiz pesquisas, busquei fornecedores, estudei os diferentes procedimentos e, cheguei à primeira grande conclusão: apesar dos pesares, a cera é a opção mais democrática, acessível e eficiente na remoção dos pelos.

O próximo passo foi buscar uma cera diferenciada, que não só não agredisse a pele, como também fosse capaz de tratá-la. Parecia uma missão quase impossível, mas depois de muitos testes, cheguei finalmente à uma marca italiana, a Depilrica. O produto prometia uma depilação sem sofrimento, com ceras específicas para cada tipo de pele e região do corpo. Aquilo tudo parecia um grande oásis no meio do calvário feminino da depilação.

Iniciamos os testes e, convencidos da viabilidade, criamos uma rede de depilação à cera totalmente inovadora que leva o nome do próprio produto, Depilrica. Independentemente do local depilado, a rede conta com um ritual de beleza e bem estar em três etapas: limpeza da pele e do pelo, depilação à cera e hidratação após o processo depilatório, para eliminar o estresse da área depilada.

O método foi tão bem aceito que, em menos de dois anos, já são cerca de 60 unidades franqueadas e 10 mil clientes atendidas por mês. A higiene é um dos pontos mais fortes da rede. Todos os objetos utilizados para a depilação são descartáveis e, as clientes são inclusive incentivadas a levarem para casa para que elas próprias se certifiquem do descarte. Quem preferir, pode ainda participar do chamado Clube da Cera, onde a cliente compra a lata de cera e aquele pote só é utilizado por ela.

Com todo este cuidado e zelo, a Depilrica vem se tornando o método preferido das mulheres que já a experimentaram. Em nossas unidades é muito comum ouvirmos relatos de mulheres que eram alérgicas à lâminas ou que não conquistaram resultados satisfatórios com o laser. Estamos nos tornando não a primeira, mas a única opção entre aquelas que já testaram nosso método. Afinal, quem foi que disse que para ficar bonita, tem que sofrer?

(*) Thiago Samuel é um experiente executivo do setor de franquias e fundador da Depilrica, pertencente ao Grupo TS Franquias

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions