A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

28/11/2013 18:46

Novos rumos para a Igreja

Por Roger Araújo (*)

Desde que assumiu o comando da Igreja Católica em março deste ano, o Papa Francisco tem demonstrado que o seu pontificado será dedicado a um tempo de reformas na Igreja Católica. A Exortação Apostólica Evangelii Gandium, o primeiro documento oficial do seu pontificado, lançado nesta semana, dá o tom desta reforma.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

A renovação começa dentro das estruturas da própria Igreja. Através de uma saudável descentralização, a começar de seu próprio poder, papa Francisco sonha com uma Igreja de maior comunhão eclesial, e com a colegialidade, isto é, ter os bispos no governo da Igreja, como já apontou o Concilio Vaticano II.

Tudo isso significa que as conferências episcopais de cada país terão mais participação nas decisões da Igreja e também mais autonomia para resolver as situações problemáticas de cada uma. No documento o papa manifesta preocupação com uma Igreja menos Europeia, e que assim possa acolher outras vivências culturais de tantas regiões onde ela se faz presente.

Francisco deseja ainda que essa renovação passe por uma mudança de postura nos métodos e meios da Igreja evangelizar. Ele pede para a Igreja, a começar dos seus próprios pastores, descer do pedestal e ir ao encontro das realidades em que vive o nosso povo. Uma Igreja mais comprometida com os sofrimentos e os dramas da humanidade nos dias de hoje.

Diferente do que muita gente fora do contexto eclesial podia imaginar, o papa não defende nenhuma mudança na visão da Igreja sobre o aborto, a ordenação de mulheres ou a comunhão para os casais em segunda união. Mas, deixa claro que se a doutrina da Igreja é a mesma, a prática pastoral precisa ser diferente. Não se pode fazer uma nova evangelização sem que a Igreja propicie os meios para ela mesma estar mais perto do povo. Neste sentido, a Exortação Apostólica fala de uma Igreja menos clerical e que possa sobretudo ouvir mais as mulheres e os jovens.

Francisco deu o recado à sociedade, aos governantes e às autoridades em geral. Condenou o modelo econômico capitalista atual, por gerar profundas desigualdades sociais e enfatizou que, enquanto não forem resolvidos os problemas dos mais pobres, não se resolverão os problemas do mundo. Denunciou a perversidade do sistema que se preocupa mais com os lucros do que com a pessoa humana.

É importante lembrar que este documento não tem caráter doutrinário e nem dogmático. Ele é um referencial para a ação pastoral e evangelizadora da Igreja, pois não define os rumos da Igreja, mas aponta o caminho e a direção na qual Francisco deseja que ela caminhe.

(*) Roger Araújo é padre, jornalista e membro da Comunidade Canção Nova.

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions