A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

16/04/2011 10:17

O caso do estuprador Robson Vander Lan

Por Fábio Coutinho de Andrade (*)

A notícia de um crime sexual realizado no campus da UFMS, em Campo Grande- MS, deixou a população atônita, embora não seja o primeiro a acontecer naquelas imediações. Mas o fato era só a ponta de um iceberg, que viria a emergir com a captura do acusado, Robson Vander Lan, 29 anos, que revelou uma frieza e um cinismo dignos de um serial killer norte-americano, desses que vemos em filmes, quando de suas entrevistas para a imprensa.

Em “entrevista” ao portal Campo Grande News, Robson revelou como escolhia suas vítimas: optava por pessoas que seguiam uma rotina e as abordava em locais pouco iluminados ou pouco movimentados. Tudo planejado, tudo meticulosamente planejado! Até o presente momento, são nove os casos de estupro confessados pelo autor, que, porém, afirma ter “perdido as contas de quantas vítimas fez”. Entre as suas vítimas, inclui-se uma adolescente de 14 anos de idade.

Robson não é réu primário. Aos 12 anos de idade, violentou sexualmente uma menina de 12 anos e queimou o seu corpo com cigarro. Sete anos mais tarde, esfaqueou a namorada grávida até a morte. Foi condenado a 9 anos de prisão, dos quais cumpriu 7, tendo sido transferido para o regime semi-aberto por bom comportamento. Dá início, então, a uma série de estupros.

O que impressiona é o cinismo do criminoso, aliado à total falta de discernimento, pois que chega a afirmar que não é um monstro, mas um ser humano como todos os outros. A que ponto chega a inversão de valores de uma pessoa? Até que ponto ela pode ir para justificar suas atitudes e ações, mesmo que sejam contrárias aos mais comezinhos princípios éticos, morais e legais?

Robson não é um criminoso comum: desde muito cedo desenvolveu ou revelou o germe da criminalidade latente. Deveria ter sido considerado pela justiça como um sério candidato a um tratamento psiquiátrico ou a uma internação, medidas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente. Talvez pudessem ter sido evitados os casos que ora presenciamos. Talvez ele não devesse nunca ter visto a liberdade após o cometimento dos primeiros crimes.

O que temos no presente caso é a convergência de uma personalidade completamente doentia e da falta de tratamento adequado, seja ele jurídico ou psicológico. Não devemos chegar a conclusões simplistas. Diante desse quadro, não há mais nada a fazer, a não ser tratar devidamente o caso, com os rigores da lei e proceder a um estudo comportamental desse indivíduo, para que se possa tentar obter respostas a tal comportamento.

Foi essencial para a captura de Robson a atitude, especialmente, de uma das vítimas, que colaborou imensamente com o trabalho da polícia civil. Às outras vítimas e às suas famílias, resta o consolo de saber que esse criminoso foi capturado e que deverá assim permanecer por algum tempo. Que seja feita a justiça dos homens e que os Excelentíssimos Julgadores possam, com isenção, mas com rigor, tratar do presente caso, não permitindo que essa fera volte a fazer vítimas.

Fica aqui a minha sincera homenagem às corajosas vítimas que, apesar do trauma, conseguiram reunir força suficiente para tirar Robson das ruas. Também à Polícia Civil, pela ágil atuação, o que permitiu que o criminoso fosse detido. E que a população possa dormir mais tranqüila, na esperança de que ele irá terá muitos anos de segregação celular a cumprir.

(*) Fábio Coutinho de Andrade é advogado, especialista em Direito Penal e Processual Penal.

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



Eu não quis desmerecer o trabalho da polícia militar, foi apenas um lapso. Fica aqui a correção.
 
Fábio Andrade em 17/04/2011 10:04:18
Prof. Fábio Coutinho, sem criar celeuma e sem tirar o mérito da Poliicia Civil, mas lendo as noticias da midia, e do proprio relatório da prisão, foi a Polícia Militar que efetuou a prisão do Robson e o conduziu à autoridade competente, alias ele se apresentou numa unidade da PM, talvez porque viu que o certo estava fechando. Agora fica a PC tentando criar problemas com o trabalho da PM na busca de um criminoso que acabara de cometer o delito. O interessante é que prenda todos, seja por qualquer umas forças de segurança, e por qualquer método ou técnicas.
 
Jose Pedro em 16/04/2011 11:14:47
ACHEI LINDAS AS SUAS PALAVRAS PROF. FABIO, MAS NÃO FOI A POLICIA CIVIL QUE ACHOU O MARGINAL E LEVOU PRA DELEGACIA E SIM A PM, QUE COM TODA CERTEZA MERECE OS NOSSOS PARABENS. JÁ BASTA O GOVERNADOR DO ESTADO NÃO VALORIZAR E AGORA O SENHOR.
 
JOICY DOS SANTOS em 16/04/2011 09:04:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions