A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

16/04/2011 10:17

O caso do estuprador Robson Vander Lan

Por Fábio Coutinho de Andrade (*)

A notícia de um crime sexual realizado no campus da UFMS, em Campo Grande- MS, deixou a população atônita, embora não seja o primeiro a acontecer naquelas imediações. Mas o fato era só a ponta de um iceberg, que viria a emergir com a captura do acusado, Robson Vander Lan, 29 anos, que revelou uma frieza e um cinismo dignos de um serial killer norte-americano, desses que vemos em filmes, quando de suas entrevistas para a imprensa.

Em “entrevista” ao portal Campo Grande News, Robson revelou como escolhia suas vítimas: optava por pessoas que seguiam uma rotina e as abordava em locais pouco iluminados ou pouco movimentados. Tudo planejado, tudo meticulosamente planejado! Até o presente momento, são nove os casos de estupro confessados pelo autor, que, porém, afirma ter “perdido as contas de quantas vítimas fez”. Entre as suas vítimas, inclui-se uma adolescente de 14 anos de idade.

Robson não é réu primário. Aos 12 anos de idade, violentou sexualmente uma menina de 12 anos e queimou o seu corpo com cigarro. Sete anos mais tarde, esfaqueou a namorada grávida até a morte. Foi condenado a 9 anos de prisão, dos quais cumpriu 7, tendo sido transferido para o regime semi-aberto por bom comportamento. Dá início, então, a uma série de estupros.

O que impressiona é o cinismo do criminoso, aliado à total falta de discernimento, pois que chega a afirmar que não é um monstro, mas um ser humano como todos os outros. A que ponto chega a inversão de valores de uma pessoa? Até que ponto ela pode ir para justificar suas atitudes e ações, mesmo que sejam contrárias aos mais comezinhos princípios éticos, morais e legais?

Robson não é um criminoso comum: desde muito cedo desenvolveu ou revelou o germe da criminalidade latente. Deveria ter sido considerado pela justiça como um sério candidato a um tratamento psiquiátrico ou a uma internação, medidas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente. Talvez pudessem ter sido evitados os casos que ora presenciamos. Talvez ele não devesse nunca ter visto a liberdade após o cometimento dos primeiros crimes.

O que temos no presente caso é a convergência de uma personalidade completamente doentia e da falta de tratamento adequado, seja ele jurídico ou psicológico. Não devemos chegar a conclusões simplistas. Diante desse quadro, não há mais nada a fazer, a não ser tratar devidamente o caso, com os rigores da lei e proceder a um estudo comportamental desse indivíduo, para que se possa tentar obter respostas a tal comportamento.

Foi essencial para a captura de Robson a atitude, especialmente, de uma das vítimas, que colaborou imensamente com o trabalho da polícia civil. Às outras vítimas e às suas famílias, resta o consolo de saber que esse criminoso foi capturado e que deverá assim permanecer por algum tempo. Que seja feita a justiça dos homens e que os Excelentíssimos Julgadores possam, com isenção, mas com rigor, tratar do presente caso, não permitindo que essa fera volte a fazer vítimas.

Fica aqui a minha sincera homenagem às corajosas vítimas que, apesar do trauma, conseguiram reunir força suficiente para tirar Robson das ruas. Também à Polícia Civil, pela ágil atuação, o que permitiu que o criminoso fosse detido. E que a população possa dormir mais tranqüila, na esperança de que ele irá terá muitos anos de segregação celular a cumprir.

(*) Fábio Coutinho de Andrade é advogado, especialista em Direito Penal e Processual Penal.

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



Eu não quis desmerecer o trabalho da polícia militar, foi apenas um lapso. Fica aqui a correção.
 
Fábio Andrade em 17/04/2011 10:04:18
Prof. Fábio Coutinho, sem criar celeuma e sem tirar o mérito da Poliicia Civil, mas lendo as noticias da midia, e do proprio relatório da prisão, foi a Polícia Militar que efetuou a prisão do Robson e o conduziu à autoridade competente, alias ele se apresentou numa unidade da PM, talvez porque viu que o certo estava fechando. Agora fica a PC tentando criar problemas com o trabalho da PM na busca de um criminoso que acabara de cometer o delito. O interessante é que prenda todos, seja por qualquer umas forças de segurança, e por qualquer método ou técnicas.
 
Jose Pedro em 16/04/2011 11:14:47
ACHEI LINDAS AS SUAS PALAVRAS PROF. FABIO, MAS NÃO FOI A POLICIA CIVIL QUE ACHOU O MARGINAL E LEVOU PRA DELEGACIA E SIM A PM, QUE COM TODA CERTEZA MERECE OS NOSSOS PARABENS. JÁ BASTA O GOVERNADOR DO ESTADO NÃO VALORIZAR E AGORA O SENHOR.
 
JOICY DOS SANTOS em 16/04/2011 09:04:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions