A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

22/12/2014 14:54

O discurso da ausência

Por Dante Filho (*)

A diplomação dos candidatos eleitos pelo TRE no Palácio Popular da Cultura é um evento que transcende o mero significado antropológico do rito de passagem. Apesar de cansativo e realizado em horário inadequado, o ato de entrega do diploma para deputados, senador, governador e vice etc é carregado de simbolismos porque expressa, em várias camadas psicossociais, como a sociedade politicamente esclarecida de nosso Estado passará a nutrir suas expectativas em relação a quem está chegando e saindo do poder.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Isso não é trivial. Os gestos e os discursos falam por si próprios. Cada diplomado é um personagem que transita pelo palco expressando a essência de sua personalidade. O mau e o bom gosto na indumentária, a obediência ou não ao protocolo, as gafes naturais do cerimonial, a postura corporal das autoridades, tudo isso é observado como a expressão civilizatória daqueles que nos próximos anos representarão o Estado na complexidade de suas significações.

O ponto alto do evento são os discursos. Por regra falam os parlamentares mais votados e o governador eleito. Para estes é a oportunidade rara para falar para um público formador de opinião, que termina no boca a boca dando ampla repercussão aos ruídos que, posteriormente, se transformarão em sinais que, numa escala ideal, se transformarão no “espírito dos novos tempos”.

O melhor discurso da noite (na minha modesta opinião) foi o do deputado Zeca do PT (o parlamentar federal mais votado nas últimas eleições). Ele não compareceu ao evento e nem deu justificativa para esta recusa (só depois publicou um muxoxo bobo no facebook, mas isso não conta).

Foi o famoso “discurso da ausência”. Existem momentos em que o silencio fala mais do que milhares de palavras. Ao se negar em participar da solenidade do TRE fez do ato um momento repleto de significados. Nesse caso, Zeca mostrou que é um gênio do oportunismo político. Para quem entende a língua dos deuses deve imaginar que o ele calculou o gesto apostando que o futuro voltará a lhe sorrir novamente. Esperteza canhestra, mas esperteza.

Zeca mostrou que é o nosso melhor administrador de expectativas não realizadas, desde quando Pedrossian se aposentou. Seu silêncio ficou ecoando no Palácio Popular da Cultura, todo repleto de som e fúria contra “tudo isso que está aí”. Vai dar certo? Só o tempo dirá.

O único contraponto a esse momento foi o discurso da senadora Simone Tebet. Falando de improviso, no tom adequado, citando de cabeça trechos de poesia de Manoel de Barros, pontuando o atual momento brasileiro de crise de representação política, mostrando-se preocupada com a economia, pregando o fortalecimento da federação, ela percorreu todos os caminhos possíveis para desenhar um cenário nada róseo da realidade brasileira. Sua inteligência e fluência indicam que o eleitorado fez a coisa certa em elegê-la. Simone parece que veio para deixar marca na política regional.

As falas dos deputados Marquinhos Trad , Carlos Marun e do governador Reinaldo Azambuja não conseguiram ultrapassar os limites da eloqüência do “discurso da ausência” de Zeca. O deputado petista falou mais e melhor do que os três juntos. Ponto pra ele.

Sem medo de ser feliz. O escritor Jorge Luis Borges escreveu uma vez que a “verdadeira história é secreta”. Ainda não se sabe ao certo o que os companheiros Barack e Raúl Castro tramaram com o Papa Francisco para dar esse passou histórico rumo ao final do embargo americano à ilha de Fidel. Contei pelos menos quase duas centenas de especulações sobre o tema. Somando tudo, ficou claro que eles estão martelando o último prego no caixão de uma das piores ditaduras desse século. Quanto ao fim do socialismo, não sei. Acho que foi Saramago que disse que “socialismo não é um governo, mas um estado de espírito”. Pode ser.

Bocas abertas. O futuro governador Reinaldo Azambuja anda impressionado com algumas figuras do PSDB que sempre foram religiosos devotos, “gente repleta de humildade” e que agora tem demonstrado uma voracidade pantagruélica por cargos e nomeações. De jeito que a coisa vai, vão abocanhar metade do governo. Impressionante!

A petrolama vai atolar muita gente. Os dois políticos de Mato Grosso do Sul denunciados por Paulinho Roberto Costa no escândalo Lava Jato (Senador Delcídio e deputado Vander Loubet) já estão preparando suas linhas de defesa para enfrentar o longo processo de desgaste que vem por aí. Pretendem sobreviver até 2018. Nesse meio tempo já sabem que Zeca será o dono do campinho, principalmente nas eleições municipais.

(*) Dante Filho, é jornalista

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions