A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

25/10/2012 08:12

O extermínio dos índios na história do nosso País

Por Yuri Arraes (*)

Recentemente me deparei com uma notícia intitulada: “Índios anunciam suicídio coletivo no MS”. Sem pensar duas vezes abri para analisar o conteúdo: uma carta assinada pelos líderes da aldeia Guarani-Kaiowá anuncia o suicídio coletivo de 170 pessoas (50 homens, 50 mulheres e 70 crianças) em razão de uma decisão recente da Justiça Federal.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

De acordo com a carta, os habitantes da aldeia serão expulsos da margem do rio Hovy no município de Naviraí em Mato Grosso do Sul. Senti-me aterrorizado e decepcionado, porém, o pior de tudo é que essas não são as primeiras mortes sem sentido dos verdadeiros brasileiros e essa não é a primeira decisão judicial com o intuito de eliminar os povos indígenas.

Desde 1500, ano em que os doze mil colonizadores europeus chegaram à região que hoje é denominada Brasil, os índios têm sido vítimas do capitalismo. O território que antes pertencia aos cinco milhões de indígenas e era a fonte de sua subsistência passou a ser explorado de maneira nem um pouco razoável pela coroa portuguesa. Seria simples se acabasse por aí, afinal, os nativos não precisavam de riqueza, apenas de um pouco de terra para habitar, caçar, colher e cultuar seus deuses, talvez até pudessem partilhar do paraíso com aqueles que haviam chegado da Europa. Mas para os seres civilizados isso não bastava, eles precisavam de mais.

Os doze mil colonizadores ampliaram seu território, trouxeram a religião, importaram escravos, multiplicaram-se, esgotaram as riquezas da terra e hoje são cento e noventa milhões de habitantes de um país independente. No entanto, nesse mesmo período, os índios foram exterminados, perderam suas terras e hoje são obrigados a habitar locais que ninguém mais precisa, dos quais não se extrai renda, e a viver de maneira desumana (temos como exemplo os Guarani-Kaiowá, que se alimentam apenas uma vez por dia).

Eu hei de lembrá-los que recentemente, no Amazonas, mil índios foram levados Atalaia do Norte por candidatos a cargos eletivos municipais para que pudessem votar nessas eleições, porém, após serem derrotados nas urnas, os aspirantes a representantes do poder povo desapareceram da cidade, deixando os eleitores em condições precárias, fazendo com que duas crianças morressem de diarreia e ainda deixando outras trinta e três internadas em um hospital.

São fatos assim que nos fazem questionar se o verdadeiro povo brasileiro realmente tem poder e se há alguém realmente capaz de representá-lo.

Atualmente a população indígena é formada por aproximadamente quinhentos mil índios. Conclui-se, portanto, que em cinco séculos acabamos com 90% da nossa história e que eliminamos a nossa própria cultura para que poucos ociosos habitem terras que não os pertencem e se mantenham ricos. Que país é esse em que se humilham e matam pessoas em nome de uma campanha política? Que justiça é essa que faz com que 170 pessoas clamem pela própria extinção? Pessoas assim não sabem o que é a Constituição, pois nunca usufruíram de nenhum direito. Os índios perderam tudo, inclusive aquilo que dizem ser a última coisa a se perder: a esperança. E eu não consigo sentir nada ao pensar nisso além de vergonha de ser brasileiro.


(*)Yuri Arraes é acadêmico de Direito.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



meus estimas ao povo indígenas do brasil, povos que devem ser muito respeitados, parabéns aos xavantes, pataxós, e outros,.............................
 
orcivan oliveira silveira em 04/04/2013 10:12:31
ficam aquí os meus protestos contra essas pessoas, ou autoridades que desprezam esses autenticos brasileiros...........................
 
orcivan oliveira silveira em 04/04/2013 09:57:25
Eu também sinto muita vergonha de ter parte nessa herança histórica brasileira.
Tenho a aparência de um homem branco, coisas da genética; porém minha avó materna é uma índia terena com todos os traços. Não sinto na pele a exclusão social ou preconceito...

Preocupo-me, porém, com o destino de milhares de pessoas índigenas nesse país, o quanto sofrem e ainda o quanto terão que sofrer para terem suas necessidades compreendidas e serem respeitados em suas particularidades.

 
Marcelo Souza em 25/10/2012 09:37:46
Parabéns pelas belas palavras... me entristece em saber que existem pessoas que falam que os patrícios são culpados pela situação que se encontram.
 
cris de brito em 25/10/2012 09:35:35
Texto perfeito. Completo.
 
Fernando Silva em 25/10/2012 08:31:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions