A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

24/11/2016 09:13

O mundo se desumaniza

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Por que o Brasil ficou fora da globalização industrial? Seria porque na Ásia a mão de obra é mais barata? A grande zebra foram as bolhas especulativas. Com a sobra de liquidez veio a fome de ganho, pois embora a Terra seja densamente povoada, o poder de compra foi restringido.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Há uma previsão de que com as dificuldades financeiras ocorra o fechamento dos mercados. Os países têm de preparar a população e fazer acordos bilaterais para as trocas necessárias com equilíbrio, sem incorrer em novos empréstimos, e produzir internamente o que não puder importar, gerando oportunidades de trabalho.

Estados Unidos e China formaram uma dupla e juntos fizeram a festa. Produção transferida. Dívida americana em elevação, caixa alta da China. Pelo mundo, déficits, dívidas, desindustrialização, precarização. Com sete bilhões de almas encarnadas a situação geral muda muito. O consequente aperto nos bolsos gerou o estado de insatisfação pública e a busca por milagreiros, mas não é fácil consertar o que levou tantos anos para bagunçar; ademais, há os conflitos de interesses.

O mundo vive a precarização geral. O rendimento se deprecia. Gastar com combustível é uma necessidade do trabalho nas grandes cidades. Pagar um preço mais adequado possibilitaria um pouco mais de dinheiro no bolso para atender outras necessidades fundamentais. O Banco Central precisa olhar para isso e reduzir os juros. O colapso global vem caminhando; estudiosos como o ambientalista Paul Gilding, autor do livro A Grande Ruptura, mostram isso. A forma materialista de viver sem aspirações mais elevadas está conduzindo para uma situação tumultuada em todos os setores, que se agrava com o aumento da insatisfação.

Desde 2008, muitos ativos tóxicos estão pendurados neste mundo de muitas jogadas especulativas que vinham sendo empurrados, mas representam muito peso para subir a ladeira do grande buraco aberto. Os homens gostam de achar culpados. Seria Trump, com toda sua verborragia ácida, o grande pato da vez?

A globalização promoveu a centralização das finanças nos Estados Unidos, mas aumentou o desequilíbrio nas relações entre os povos. No colonialismo, imperava a força bruta na dilapidação de riquezas. No capitalismo financeiro, importa o lucro. No capitalismo de Estado, a coordenação da produção e controle da mão de obra visam o mercado externo com preços arrasadores e influências no câmbio.

O Brasil e outros países não têm como equilibrar as contas externas; sempre dependentes e fragilizados, fazem malabarismo, arcando perdas com swaps cambiais. Enquanto não houver equilíbrio, a paz será uma quimera, e a miséria uma consequência inevitável.

O mundo se desumaniza. Ser humano é não se deixar vencer pela cobiça, raiva, ódio, insatisfação. Temos de nos esforçar para compreendermos a vida, pautando-a em conformidade com as leis da Criação, para clarificar continuadamente o espírito e os pensamentos. Temos testemunhado o aumento do apagão mental e precisamos combatê-lo com o bom preparo para a vida e com responsabilidade.

Os humanos receberam a Criação para usufruto e desenvolvimento espiritual por um determinado período de tempo, mas em vez de beneficiar e embelezar tudo agiram de forma devastadora, atraindo sofrimento e miséria. E quanto mais o tempo vai se aproximando do limite, mais se evidencia a decadência e a desvalorização da humanidade que não se esforçou para progredir no saber sobre a atuação da Criação. Quem não respeita essas leis perfeitas tem de arcar com as consequências e lidar com o efeito da colheita. Reconhecidas e respeitadas, essas leis capacitam o ser humano a produzir dez vezes mais obras benéficas e duradouras para fortalecer a paz e a alegria.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, articulista, palestrante e escritor

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions