A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 30 de Agosto de 2014

28/12/2011 10:39

O peixe morre pela boca

Por Célio Pezza*

Existe um ditado antigo que diz que “o peixe morre pela boca”. Esta é uma verdade não só para os peixes, mas também para os homens. Nós inventamos tanta porcaria para comer, que podemos dizer sem medo de errar que estamos morrendo pela boca. De algumas décadas para cá, apareceram inúmeras doenças e os homens estão sofrendo de males que no passado não existiam. Grande parte deste quadro vem, sem dúvida, da má alimentação da vida moderna e da péssima qualidade dos alimentos ingeridos, que são produzidos sem a mínima preocupação com a saúde de quem vai ingeri-los. Existe uma indústria inescrupulosa que produz cada vez mais venenos e agrotóxicos de todos os tipos e os coloca no mercado sob a falsa ideologia de combate à fome e aumento das safras (leiam lucros). Essa indústria diz ao agricultor ignorante que os produtos são necessários e que nas dosagens corretas não fazem mal algum ao ser humano.

Veja Mais
Casas de tolerância
Campo Grande, uma jovem cidade

Por outro lado, existem os agricultores que sabem dos efeitos destes venenos, mas não se preocupam e usam até em doses maiores do que as recomendadas para que seu produto seja mais bonito. Muitos já ouviram de algum agricultor que para a sua família os morangos e os tomates são outros, aqueles feios que estão plantados em uma pequena horta ao lado de sua casa. Para a venda nos mercados, é a grande plantação, cheia de remédios e venenos. São os mais bonitos, mas, como as sereias, seduzem e matam. O problema é que esta agricultura criminosa se espalhou de tal forma dentro da nossa cultura, que hoje é muito difícil separar o joio do trigo e não sabemos mais em quem acreditar. Recentemente uma pesquisa da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mostrou a situação caótica em que nos encontramos inclusive com o uso de agrotóxicos proibidos, que entram ilegalmente no país.

O pimentão, aquele vermelho e bonito que chama a nossa atenção nos supermercados, ficou na liderança, com 92% das amostras contaminadas e impróprias para o consumo. Em seguida, vem o morango (63%), o pepino (57%), alface (54%), cenoura (50%), abacaxi (33%) e muitos outros. Estes venenos têm efeitos cumulativos no organismo e causam inúmeras doenças cardíacas, neurológicas, endócrinas, imunológicas e algumas transmissíveis para a próxima geração.

O antigo ditado é uma realidade que o nosso mundo moderno insiste em não levar em consideração. Enquanto isto, o homem vai ao encontro de seu destino, cada vez mais doente, pelo ar que respira, pela água que toma e pela comida que ingere. Isto é realmente progresso?

Sobre o Célio Pezza

(*) Célio Pezza é escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, e o seu mais recente A Palavra Perdida.

Veja Também
Casas de tolerância
A epígrafe não se refere àquelas de meretrício, de motel, de lupanar, de puteiro, não! Estas, por mais que cause espécie ao nosso pundonor, pelos mot...
Campo Grande, uma jovem cidade
Nesta terça-feira, 26 de agosto, Campo Grande, a jovem capital de Mato Grosso do Sul, fez 115 anos, e a população tem motivos de sobra para comemorar...
Nossos dias em agosto
O mês de agosto na história do Brasil tem acontecimentos trágicos que o marcaram de forma dramática, criando grande comoção popular, como foram: o su...
Etanol brasileiro é prejudicado e estrangeiro privilegiado
O governo de Dilma tenta esconder tudo o que seja negativo à sua imagem, principalmente quando o que se registra não se trata apenas de uma suspeita....


Hoje sabemos de de fato essa materia é veridica porque não só nos agrotóxicos de verduras, legumes e frutas mas tambem esta presente os anabolizantes na carne que é consumida aqui no Brasil , bem diferente da exportada que tem rigorosos padrões de qualidade e a carne de frango onde afentam por exemplo crianças sexo feminino, que aos nove ,dez anos ja estão mulheres formadas.
 
alessandra tlaes em 28/12/2011 08:33:50
Defendo o uso de agrotóxicos e acredito que CRIMINALIZA-LO não seja a solução. A solução está em dar mais educação para quem os utiliza. Agrotóxico é tão seguro como qualquer remédio que você adquire em uma farmácia [com receituário]. O que o torna perigoso é o mau uso. Assim como é perigoso o mau uso de sal de cozinha, por exemplo. Aí já vira problema de todos [e dos nossos governantes].
 
Luis Otmar em 28/12/2011 03:54:21
Excelente matéria, é a mais pura realidade que o autor retratou no texto acima.
Providenciei uma horta no meu quintal e já tenho algumas verduras, legumes...como-os tranquila, pq sei que são naturais e saudáveis. Tenho frutas também plantadas, cuido da minha saúde a ao mesmo tempo ofereço alimentos para os passarinhos que visitam o meu pomar.
 
Jane Cintra em 28/12/2011 02:28:45
imagem transparente

Desenvolvido por Idalus Internet Solutions