A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

27/03/2015 10:28

O perigo por trás da semântica da terceirização

João Grandão

Terceirizar ou não terceirizar, eis a questão! Mas antes de entrar na discussão propriamente dita, gostaria de analisar as sutilezas semânticas por meio das quais um dos lados dessa disputa trabalhista procura se aproveitar muito astutamente.

Veja Mais
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Um galo para Asclepius

Semântica é um ramo da linguística que estuda o significado das palavras, frases ou textos de uma língua. E invariavelmente quando ouço ou leio artigos de alguns economistas neoliberais, mega-empresários e parlamentares da bancada patronal, o discurso traz a reboque algumas palavras obrigatórias, como “sinergia”, “flexibilização”, “competitividade”, “aumento da produtividade”, “modernidade” e “realinhamento de produção”.

É preciso, no entanto, estar atento pois palavras muitas vezes são utilizadas para nos convencer de inverdades e ilusões. Por exemplo, “sinergia”, “alinhamento estratégico” e “terceirização” na boca (ou na pena) dos defensores da terceirização de todas as atividades significa “demissão”, “diminuição dos direitos trabalhistas”, “redução de salários” e “aumento da jornada de trabalho”.

Afinal, como você acha que as empresas pretendem atingir a fórmula mágica da “maior eficiência” e “qualidade na gestão empresarial” com “redução de custos”? A resposta é óbvia: regulamentando e universalizando o chamado “marchandage”, venda do trabalho alheio por um intermediário ao empregador. Desmembrando o trabalhador da categoria de origem, que já tem um histórico de luta, ou seja, de vários acordos coletivos firmados.

Para esses trabalhadores terceirizados é como se eles ‘recomeçassem’ permanentemente a luta pelos direitos que as categorias estáveis às quais eles pertencem conquistaram a duras penas.

Saindo da semântica e indo aos números, é por isso que um trabalhador terceirizado ganha em média entre 40% e 50% a menos por hora trabalhada em comparação com um trabalhador “estável”. E trabalhando muito mais! Sim, pois apesar de os contratados por empresas terceiras terem salário inferior, laboram cerca de 3 horas a mais que os permanentes, com um tempo de carteira assinada de 2 a 3 anos, enquanto a média de registro dos estáveis é o dobro: de 5 a 6 anos.

Sem falar da vantagem que o patrão tem em não mais ‘externalizar’ os conflitos com a força de trabalho. Ao terceirizar todas as atividades, ele terceiriza também esse “problema” para outro, pois assim a negociação passa a ser de responsabilidade de outrem, no caso, a empresa contratada.

Posso falar isso com conhecimento de causa no setor bancário, uma vez que também sou dirigente e presidi o Sindicato dos Bancários de Dourados (MS) e sempre defendi, ao longo da minha vida, os direitos dos trabalhadores.

Em 2013, os 6 maiores bancos ultrapassaram o superávit e tiveram lucro de R$ 56 bilhões. Como? Reduzindo, de forma significativa, a contratação de trabalhadores. Foram 4 mil postos de trabalho direto eliminados e, só no último semestre de 2014, esse corte atingiu cerca de 3 mil trabalhadores!

Resumindo, a terceirização é a mais selvagem de todas as formas de exploração do trabalho na atualidade pois precariza a relação do empregado/empregador, aumenta a jornada de trabalho, reduz o salário, compromete os direitos e benefícios, fragiliza a relação com a sociedade e enfraquece os sindicatos. Só é boa mesmo para os patrões.

Por isso, somos contra a aprovação do PL 4330, que regulamenta a prática da terceirização nas empresas, e vamos lutar veementemente contra sua aprovação na Câmara dos Deputados no próximo dia 7 de abril.

*João Grandão é deputado estadual e vice-líder da bancada do PT na Assembléia Legislativa do Mato Grosso do Sul.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions