A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

18/12/2014 13:21

O Pesadelo Chamado: Desistência de Adoção

Por Luana da Silva Malaquias (*)

Abandono, rejeição, tristeza e solidão, são as cicatrizes de uma criança devolvida ao abrigo.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

A adoção é um assunto de enorme complexidade. No seu âmago há sempre uma criança ou adolescente que vive intensamente o sofrimento mais temido pelos seres humanos: o desamparo.

Adotar é muito mais do que um simples ato de caridade, significa aceitar um estranho na qualidade de filho, amando-o como se de você tivesse nascido.
Desde os primórdios da história humana, adotar seria nada mais do que conferir filhos àqueles que se encontravam impossibilitados de consegui-los por natureza, mas hoje em dia, com o desenvolvimento do ECA (estatuto da criança e do adolescente), a função acaba não sendo a de dar uma criança à uma família, e sim uma família à uma criança.

Nos dias de hoje, quase todos são movidos pela aparência, se determinada coisa não for do seu gosto, ela simplesmente o devolve ao lugar de origem. Seria então correto ter essa mesma atitude com uma criança? Seria esse pequeno ser, amedrontado e já sem esperanças, jogado como um simples objeto?

Salienta-se que esse tipo de abandono pode gerar danos irreparáveis, gravíssimos, à criança, sendo eles: sofrimento emocional evidente em relação à decisão de retorno ao abrigo, inesperado desprezo, distúrbios, falta de amor e ternura, meticulosidade distante e fria, hostilidade, bloqueios no desenvolvimento psíquico, entre outros.

A adoção deve ser vista com mais seriedade pelas pessoas que se dispõem a tal ato, devendo estas ter consciência e atitude de verdadeiros "pais", que pressupõe a vontade de enfrentar as dificuldades e condições adversas que aparecerem em prol da criança adotada, assumindo-a de forma incondicional como filho, a fim de seja construído e fortalecido o vínculo filial.

É de suma importância o conhecimento do direito de um estágio de convivência com o adotado, para a verificação factual ou empírica da adaptação ou não do adotando ao novo lar, não se prestando assim a funcionar como justificativa para a causação do dano irreparável à criança e adolescente. Eis que a Lei 8069/90 Art. 46 do Estatuto da Criança e do Adolescente responde à cerca do assunto. Vejamos:

Art. 46. A adoção será precedida de estágio de convivência com a criança ou adolescente, pelo prazo que a autoridade judiciária fixar, observadas as peculiaridades do caso.
§ 1º O estágio de convivência poderá ser dispensado se o adotando não tiver mais de um ano de idade ou se, qualquer que seja a sua idade, já estiver na companhia do adotante durante tempo suficiente para se poder avaliar a conveniência da constituição do vínculo.
§ 2º Em caso de adoção por estrangeiro residente ou domiciliado fora do País, o estágio de convivência, cumprido no território nacional, será de no mínimo quinze dias para crianças de até dois anos de idade, e de no mínimo trinta dias quando se tratar de adotando acima de dois anos de idade.
§ 1o O estágio de convivência poderá ser dispensado se o adotando já estiver sob a tutela ou guarda legal do adotante durante tempo suficiente para que seja possível avaliar a conveniência da constituição do vínculo. (Redação dada pela Lei nº 12.010, de 2009) Vigência
§ 2o A simples guarda de fato não autoriza, por si só, a dispensa da realização do estágio de convivência. (Redação dada pela Lei nº 12.010, de 2009) Vigência
§ 3o Em caso de adoção por pessoa ou casal residente ou domiciliado fora do País, o estágio de convivência, cumprido no território nacional, será de, no mínimo, 30 (trinta) dias. (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009) Vigência
§ 4o O estágio de convivência será acompanhado pela equipe interprofissional a serviço da Justiça da Infância e da Juventude, preferencialmente com apoio dos técnicos responsáveis pela execução da política de garantia do direito à convivência familiar, que apresentarão relatório minucioso acerca da conveniência do deferimento da medida. (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009).

Teme-se o destino afetivo, pessoal, humano e familiar destas crianças, se o mesmo se adivinhar sombrio, o risco de seu destino social pode se apresentar precário, instável ou até dramático. O que seria do futuro de uma criança já sem expectativas de vida? Poderão ser aliciados para a prostituição, tóxicos e até mesmo prática de delitos.

Cabe informar que existem pressupostos para o direito à reparação desses danos causados às crianças, e o primeiro deles é a existência do dano considerável, patrimonial e moral.

Diante desses atos cometidos por seres humanos que desconhecem o verdadeiro amor paternal, a criança pode se tornar extremamente revoltada e sensibilizada, tendo que enfrentar pela segunda ou até terceira vez a situação de abandono e rejeição. É de extrema importância que ao almejar a adoção, lembrar-se que a criança, assim como nós, também, é um ser humano, com necessidades e tantos problemas quanto os seus e, que quando adolescente, também lembrar que o mesmo já possui manias e que elas também devem ser respeitadas, pois a adoção é irrevogável, os pais adotivos têm os mesmos direitos e obrigações que os pais biológicos.

A psicanalista Lídia Levy observa que a saída do abrigo é marcada por grandes expectativas e o retorno é vivido como fracasso. Algumas crianças se sentem culpadas, enquanto outras são humilhadas por colegas. "Lembro um menino contar, magoado, o reencontro com um colega que lhe disse: Você é muito burro mesmo! Conseguiu sair e foi devolvido."

Por fim, devemos sempre lembrar que a criança precisa de carinho e afeto para crescer e se desenvolver. A família, independente de ser biológica ou não, lhe transmite segurança, redundando-se em suporte necessário para a vida.

(*) Luana da Silva Malaquias, advogada do escritório Mascarenhas Barbosa

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions