A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

03/04/2015 14:00

O plano original da vida

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A construção do planeta Terra foi um processo maravilhoso. O resfriamento da bola de fogo se deu com chuvas intermitentes que evaporavam logo depois de cair sobre a superfície superaquecida, seguido pelo lento acúmulo da água, a formação do ar, do solo e da vegetação, das florestas e da variadíssima fauna, tudo interligado pelo movimento da vida. Como as pessoas podem achar que isso tudo acorreu ao acaso, sem um plano, sem mãos diligentes cuidando de tudo para que o planeta pudesse abrigar a semente espiritual para um existir consciente?

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

É interessante observar que nem sempre houve essa dúvida. Os primeiros seres humanos tinham pleno saber da entealidade que atua em conformidade com as leis naturais da Criação. Quando o ser humano passou a perceber que através do cérebro frontal tinha o poder de agir sem ouvir o seu íntimo, ou seja, sem ouvir a voz interior oriunda de seu espírito e captada pelo cérebro posterior, o cerebelo, que aos poucos foi ficando inativo, assim o cérebro frontal ganhou força, e em decorrência da lei da adaptabilidade, o cerebelo foi silenciando de vez. Não contente com isso, o ser humano prosseguiu no embrutecimento, restringindo progressivamente a parte emocional do cérebro anterior. Os fios que nos conectam com o mundo espiritual e enteal foram sendo desfeitos.

Ultimamente, o uso cada vez mais intenso do cérebro frontal, e o seu correspondente fortalecimento, tem levado à desativação progressiva da parte emocional do cérebro que é receptora dos lampejos intuitivos captados pelo cerebelo. Em decorrência, o cérebro do ser humano ficou cada vez mais circunscrito à sua parte racional, enfraquecendo a sua parte mais humana, apegando-se unilateralmente aos apetrechos criados pela tecnologia. O ser humano se esvaziou de seu conteúdo individual, tornando-se produto de massa padronizado, que não examina mais os acontecimentos e, em consequência, foi perdendo o contato com a natureza e seus entes.

É notória a aceleração dos acontecimentos. Tudo está acontecendo de forma rápida, desorientando as pessoas. Não há tempo para nada, menos ainda para reflexões profundas sobre o significado da vida. Assim fica realmente dramática a situação do preparo e desenvolvimento das novas gerações. Está em curso um processo de reestruturação das mentes das novas gerações circunscritas ao tempo e espaço, com o acorrentamento voluntário ao materialismo, num mundo desolador, sem estímulos para voar rumo ao mundo dos sonhos e dos projetos enobrecedores.

Há um fortalecimento da indolência e da inatividade, o qual anteriormente já havia sido incentivado pela religião para a formação de indivíduos pouco investigativos, dóceis e crentes, que não fazem perguntas, ao contrário do que foi estabelecido pelo Criador e suas leis, que dotaram o ser humano da capacidade de observar e analisar com lucidez para se conectar com a Luz da Verdade, evoluir e ser feliz. Estamos enfrentamos o apagão mental. Os modernos meios de comunicação precisam ser mobilizados na direção do aprimoramento humano.

Torna-se imprescindível, para as pessoas de todas as idades, o contato com a natureza, suas belezas, sua lógica perfeita. Histórias da natureza devem ser contadas já na primeira infância, pois é nessa fase que se formam as bases das conexões do cérebro. Nessas condições, o desenvolvimento infantil tenderá a buscar o que é de fato fundamental, e com isso surgirão indivíduos mais criativos e inovadores diante dos desafios da vida.

Urge capacitar os jovens para tratar a natureza e as pessoas com respeito e consideração, dotando-os de responsabilidade quanto ao futuro próprio, da sociedade e do planeta, ampliando a capacitação para transformar em realidade o sonho de um mundo espiritualizado e feliz, como deveria ter sido desde o início. Um mundo não dominado unilateralmente pelo raciocínio e pela sua restrição ao tempo e ao espaço, mas orientado pela sabedoria espiritual universal que o rege.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions