A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

08/08/2012 10:50

Olhando para o vizinho, por Ricardo Trad Filho

Por Ricardo Trad Filho (*)

A Folha de São Paulo do dia 02 de agosto traz artigo com o título “colarinho branco: o mistério dos honorários”.

Veja Mais
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Um galo para Asclepius

Seria mera coincidência ou não? Que justamente neste dia, começou o julgamento do caso mais emblemático da história recente da República? O famoso “mensalão”. Vale a pergunta: o autor do texto pretenderia (ou pretende) atrair para si os holofotes? Creio que a pergunta prescinde de respostas.

O texto – e não artigo -, pois de científico nada tem, tampouco de esclarecedor -, pretende levar ao público a falsa e pérfida ideia de que o pagamento dos honorários advocatícios dos réus no processo do mensalão estaria sendo efetivado com dinheiro ilícito, e, por isso, segundo a ótica torta do seu autor, os advogados poderiam ser processados por crime de lavagem de dinheiro!!

Como é que isso?

Sua Excelência quer colocar no mesmo envelope acusado e advogado, como se os dois, irmanados, estivessem a conspirar contra as instituições e tapear a Justiça. Respeite-a Senhor Magistrado. Respeite a nobre Instituição da qual Vossa Excelência faz parte.

Respeite a jurisdição “eminência”. Quem a provoca são os advogados. Respeite o Ministério Público, que em certos casos também a instiga mediante propositura de ações. Deixe suas paixões e suas idiossincrasias de lado, e tente, pelo menos tente, não custa tentar, enxergar a advocacia na mesma medida daquilo que está no texto constitucional: “o advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos, nos limites da lei”.

Não queira sujar, com seu olhar equivocado de catedrático da moralidade, o digno Poder Judiciário do país, que através de sua mais alta Corte começará a julgar, hoje, um dos processos mais importantes da nossa história democrática.

“Cego” é Vossa Excelência, que a pretexto de chamar a advocacia de “corporativista”, enreda-se num texto sem premissa, sem meio e sem fim.

Respeite a Constituição Federal... O Estado Democrático de Direito... Respeite os cidadãos brasileiros e diga amém a quem lhe paga seus salários, ao invés de ficar de olho “na vida do seu vizinho”, a quem o senhor deveria dispensar, senão cortesia, no mínimo, respeito.

O senhor quis hoje dar um soco na advocacia brasileira, e por consequência na cidadania.

O senhor quis hoje dar um soco na própria instituição de que faz parte e no Ministério Público também, lembrando que advocacia, magistratura e promotoria formam o tripé sem o qual a Justiça não opera e não funciona.

É faltar quaisquer dos três, e seremos como Cuba ou a Coréia Norte, eminentíssimo.

Não entro sequer no mérito do seu texto, apenas para não permitir que o senhor atinja seu objetivo, que é o de “trazer o tema à discussão”.

A advocacia repudia seu texto, e no mês (agosto) em que se comemoram os festejos nossos – dos advogados e advogadas do país -, Vossa Excelência, sem querer, nos faz lembrar com mais intensidade que não devemos, jamais, fraquejar na defesa das instituições e do Estado Democrático de Direito, sob pena de que vozes tiranas abalem seus alicerces e suas tradições.

(*) Ricardo Trad Filho é advogado, conselheiro seccional da OAB/MS e vice-presidente da Comissão de Fiscalização de Honorários Advocatícios da mesma instituição.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Uma vez ouvi de um Deputado na epoca, muito famoso e que não está mais entre nós, ele disse: Mensalão, isso ai sempre existiu e existe, eu que não faço parte. Esse homem tinha credibilidade e honra como Homem, pai e político. O que eu acho é que não era legalizado. Quando divulgar o salário vão ver que estão pagando mensalão todo mês hoje, em todos os poderes, legalizado.
 
luiz alves em 08/08/2012 12:51:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions