A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

20/03/2012 14:19

Os políticos, os partidos e a justiça

Por Vladimir Polízio Júnior (*)

Candidatos que tiveram suas contas rejeitadas podem disputar as eleições de outubro? Esse questionamento foi respondido pelos ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 1º de março, e por apertada maioria venceu o bom senso: político com conta rejeitada não pode disputar cargo eletivo.

Veja Mais
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia

Ninguém duvida que essa questão irá em breve para o STF (Supremo Tribunal Federal), porque envolve muita gente (foram rejeitadas 21 mil contas) e diversos partidos (pelo menos 18, dentre os quais o DEM e o PSDB, endossam requerimento do PT para que o TSE modifique seu entendimento).

A conclusão é que de um lado estão os políticos e seus partidos, e do outro nós e a Justiça. E ainda que no judiciário haja alguns “bandidos de toga” e vez ou outra se cometam excessos que lhe confiram um toque de humanidade, há outro Poder mais confiável? A Lei da Ficha Limpa foi de iniciativa popular, embora existam 594 congressistas mantidos com dinheiro público, sem contar o infindável número de asseclas e apaniguados igualmente custeados pelo erário, mas foi o STF que lhe conferiu a eficácia moralizadora tão necessária. Agora, partidos e políticos questionam se contas rejeitadas poderiam impedir a candidatura, sendo mais uma vez necessária intervenção do judiciário.

Nossos partidos são meros amontoados de letras, cada qual representando grupos que almejam apenas e tão somente seus próprios interesses. Estamos todos lançados à própria sorte, pois o futuro não depende mais do voto, mas sim dos magistrados.

Exemplos não faltam: Gilberto Kassab, prefeito paulistano, criou uma legenda que não é de centro, nem de esquerda ou de direita. Na discussão sobre os royalties do petróleo, os governadores Renato Casagrande, do Espírito Santo, e Sérgio Cabral, do Rio, simularam a defesa dos interesses locais por instinto de sobrevivência política, entretanto jamais pretenderam realmente comprar briga com o Governo Federal; como não têm oposição em seus estados, criaram um circo e bradaram palavras de ordem apenas para garantir votos em pleitos futuros. Há muitos intérpretes na política.

Esse espetáculo deplorável, contudo, não é privilégio de governadores ou de prefeitos. Há deputados, senadores e vereadores que se apequenam diante da grandeza do poder que deveriam representar. Houve um tempo em que a função do partido político era representar interesses de parcela da sociedade. Bons tempos aqueles.

(*)Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público (vladimirpolizio@gmail.com)

Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...



Grande Irmão Vladimir! Sempre antenado às grandes questões nacionais, e com opinião bem formada (e de respeito) sobre elas. Parabéns!
 
Neto Barros em 20/03/2012 04:43:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions