A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

14/07/2011 06:02

Os princípios da economia solidária

Por Marcus Eduardo de Oliveira (*)

Embora os manuais de Introdução à Economia insistam em recomendar a prática do individualismo e de economias descentralizadas, um “mundo econômico” mais solidário, fraterno e menos desigual somente terá vez e lugar quando os agentes econômicos juntarem forças e, coletivamente, pensarem numa mesma direção, qual seja: erradicar os males econômicos e sociais (fome, pobreza, miséria, desnutrição, morte) que cercam o atual ambiente econômico que prioriza o lucro e esquece o principal, valorizar as relações da vida.

Em economia, quando todos (os agentes econômicos) estão engajados na busca de desenvolvimento econômico de forma equilibrada, é bem possível atingir-se uma situação em que os ganhos sejam no coletivo, visto que isso não se trata de jogo de soma zero, em que os ganhos de uns significam, necessariamente, a perda de outros.

O montante que os países desenvolvidos destinam por ano à luta contra a AIDS, por exemplo, representa somente três dias de gastos militares da economia mais poderosa do planeta. Dito isso, enquanto o governo de Barack Obama continuar gastando apenas 1% de seu orçamento com ajuda internacional, outros 25% do mesmo orçamento estão sendo “direcionados” em atividades militares que somente semeiam a morte e a destruição. Essa é apenas uma dentre tantas outras mudanças que precisa acontecer visando chegarmos a um ganho coletivo.

De uma vez por todas, os países ricos precisam entender uma simples lógica econômica: é muito mais barato e vantajoso, para todos, a erradicação da pobreza e da miséria do que manter a atual e vexatória situação de penúria a que muitos estão submetidos. Vejamos que: De US$ 500 milhões a US$ 1 trilhão é o custo anual estimado da fome no mundo, incluindo perda de produtividade, renda, investimento, consumo.

Pois bem: com apenas US$ 25 milhões por ano seria possível reduzir drasticamente a desnutrição nos 15 mais famintos países da África e salvar da fome pelo menos 900 mil crianças até 2015.

Somente uma mudança radical na maneira de agir por parte do “mundo rico” porá fim à ignomínia maior dos tempos atuais que indiscutivelmente está refletida na escandalosa cifra de 1 bilhão de famintos – um sexto da humanidade lutando para sobreviver.

Os números da fome são cruéis: Todos os anos, quase 8 milhões de pessoas morrem no mundo em conseqüência da miséria e da pobreza. Os três níveis de pobreza (extrema, moderada e relativa) atingem em cheio a Ásia Oriental, Ásia Meridional, África Subssariana e parte considerável da América Latina. No conjunto, esse 1 bilhão de miseráveis (localizados na pobreza extrema) mais 1,5 bilhão de pobres (nas pobrezas moderada e relativa) somam 40% da Humanidade.

Numa matemática simples, esses números se resumem assim: uma em cada sete pessoas padece de fome no mundo; 11 mil crianças morrem a cada dia; um terço das crianças dos países em desenvolvimento apresentam atraso no crescimento físico e intelectual; 1,3 bilhão de pessoas no mundo não dispõe de água potável; 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são anêmicas e encontram-se abaixo do peso.

Diante disso, indagamos: Até quando será permitida essa aberração social? Até quando será permitido conviver com esse desrespeito à vida humana?

Conquanto, sempre é possível sonhar com um amanhã melhor. Em tempos de mundo globalizado aonde as informações se disseminam numa velocidade assustadora, começa a ganhar cada vez mais espaço a discussão em torno da prática da chamada Economia Solidária.

Em que consiste afinal o princípio? Grosso modo, a “Economia Solidária constitui o fundamento de uma globalização humanizadora, de um desenvolvimento sustentável, socialmente justo e voltado para a satisfação racional das necessidades de cada um e de todos os cidadãos da Terra seguindo um caminho intergeracional de desenvolvimento sustentável na qualidade de vida”.

Os princípios gerais que norteiam a idéia da Economia Solidária são: a valorização social do trabalho humano; o reconhecimento do lugar fundamental da mulher e do feminino numa economia fundada na solidariedade; a busca de uma relação de intercâmbio respeitoso com a natureza, e os valores da cooperação e da solidariedade, um caminho que valoriza os seres humanos, independente da sua cor de pele, sexo, idade, orientação sexual, condição econômica ou cultural.

A partir dessa maneira diferenciada de pensar e de “fazer” economia, talvez esteja começando um novo caminho em termos da construção de um mundo mais solidário onde o indivíduo seja o foco principal; longe, portanto, da frieza dos números e dos índices que marcam a economia de mercado.

Se houver um envolvimento ativo nas ações que moldam a solidariedade, abraçando a Economia Solidária em toda sua amplitude, talvez possamos forçar as mudanças econômicas tão almejadas em prol de um mundo econômico menos agressivo e injusto.

Se essas mudanças acontecerem e se os governos desenvolvidos perceberem nisso uma possibilidade de espalhar o desenvolvimento econômico sadio para todos, os ganhos, certamente, virão. Esses ganhos serão certamente coletivos, contrariando, assim, a prática econômica que recomenda o individualismo, conforme apontamos no início do texto.

Por fim, cumpre resgatar as palavras do embaixador brasileiro Rubens Ricupero no prefácio a The End of Poverty: How we can make it happen in our lifetime, de Jeffrey Sachs quando assim acentua: “que tenhamos um apelo à nossa consciência para despertarmos ao sofrimento que nos acossa e sitia em cada esquina, em cada sinal ou encruzilhada de trânsito, em todos os lados.

Pois, se é verdade que cada sociedade terá que ser julgada segundo o critério do tratamento que dispensa a seus membros mais frágeis e vulneráveis, essa verdade não se aplica somente ao julgamento da sociedade americana em relação à África, mas a cada latino-americano, a cada brasileiro, que deve justificar sua existência na abundância do século XXI, ao lado da esqualidez de 400 milhões de nossos conterrâneos pobres ou indigentes”.

(*) Marcus Eduardo de Oliveira é economista e professor universitário, com especialização em Política Internacional e mestrado em Estudos da América Latina pela Universidade de São Paulo (USP).

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Fiquei a tarde toda pesquisando sobre “a fome no mundo”, e o artigo que eu acabei de ler retrata com maestria tudo o que pesquisei hoje. Parabéns!
Será que eu poderia usar partes desse artigo em meu trabalho de escola? Temos que fazer um "artigo informativo", e quando me deparei com este assunto fiquei abismada, nunca imaginei que os índices de morte por fome fossem tao altos.
Obrigada, Giovana.
 
Giovana Maria Bosso Soares em 05/10/2011 05:40:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions