A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

03/01/2013 10:19

Os royalties são nossos também

Por Waldemir Moka (*)

Debates travados no Congresso Nacional em 2012 permitiram à sociedade conhecer melhor o significado da palavra “royalties” — receitas provenientes da exploração e uso de marca ou produto, como é o caso do petróleo em alto mar. A discussão sobre o marco regulatório do petróleo começou em 2009, quando o Executivo encaminhou quatro projetos de lei ao Legislativo criando o regime de partilha da produção. Essas matérias, no entanto, silenciavam sobre a redistribuição de royalties.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Ao tramitar na Câmara, um dos projetos recebeu emenda do deputado federal Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), que propunha nova partilha dos royalties. O objetivo era estender a receita a todos os Estados — e não apenas ao Rio de Janeiro e Espírito Santo. Ibsen entendia que a exploração de óleo em mar difere da exploração em terra. No primeiro caso, a exploração é feita em solo da União, diferentemente da exploração de recursos naturais feita em solo de determinado Estado, como o minério em Mato Grosso do Sul.

Desde então, os Estados “não produtores” passaram a exigir nova divisão. O movimento resultou na aprovação em novembro de 2012 do projeto de lei n° 448, de 2011, do senador Wellington Dias (PT-PI). A matéria seguiu para sanção da presidente, que vetou o artigo sobre a redistribuição dos royalties. Para substituir o projeto vetado parcialmente, editou-se a Medida Provisória n° 592, de 2012. A MP prevê a destinação de parte desses recursos à educação, proposta com a qual me identifico.

Além de se considerar “produtores” e os demais Estados “não produtores”, as bancadas do Rio de Janeiro e do Espírito espalham que, ao mexer no sistema de partilha, o Brasil estará quebrando contratos de concessão. Não é verdade. Todos os acordos serão mantidos. Discute-se somente a alteração quanto à forma de distribuição das receitas.

O esperneio desses dois Estados faz sentido. A bolada em disputa é extraordinária. Em 2010, a arrecadação com royalties atingiu R$ 22 bilhões. Projeções indicam que o Brasil chegará em 2022 com a fabulosa receita de R$ 98 bilhões. Caso o Congresso derrube o veto do Executivo à redistribuição dos royalties, a participação de Mato Grosso do Sul no bolo crescerá cerca de 2.500%. A receita anual saltará de R$ 6 milhões para R$ 150 milhões.

Petróleo é de origem fóssil. Levou milhões de anos para ser formado nas rochas sedimentares. Na camada pré-sal, por exemplo, o produto é extraído a 7 mil metros de profundidade, em alto mar, distante cerca de 300 quilômetros da costa. Desde 2008, foram retirados 100 milhões de barris. Em 2017, o Brasil estará extraindo 1 milhão de barris por dia. Faça chuva, faça sol, o óleo continuará jorrando nas profundezas dos oceanos.

Produtores somos nós. Produzimos milho, soja, feijão. O agricultor acompanha sua produção do plantio à colheita, enfrentando enchente, estiagem, tempestade. O milho, por exemplo, só nasce se alguém espalhar sua semente. E a terra que a receberá precisa ser preparada cuidadosamente.

Motivos que me dão a certeza de que luto por algo justo. O petróleo é nosso. E a riqueza gerada por sua exploração há de ser distribuída entre todos os Estados, igualitariamente. Espera-se que o Congresso Nacional não fuja das suas responsabilidades.

(*) É senador da República pelo PMDB de Mato Grosso do Sul.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Interessante, bem didático.
 
Roseleide Vicente em 03/01/2013 11:28:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions