A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 24 de Julho de 2014

20/06/2011 06:02

Padre Lebret, a economia e o humanismo

Por Marcus Eduardo de Oliveira (*)

Louis-Joseph Lebret (1897-1966), ou simplesmente, padre Lebret, como era conhecido esse dominicano, foi daquelas poucas pessoas que “desembarcaram” nesse mundo com uma missão ímpar: promover a aproximação entre o pensamento cristão vinculado à ação econômica voltada, exclusivamente, para a promoção de uma sociedade mais fraterna e menos injusta.

Poucos como ele tiveram - ou ainda tem nos dias de hoje - de forma apurada, uma visão humanista da economia. Humanista no sentido de visualizar a economia pela abrangência social que essa disciplina e tipo de atividade pode alcançar, e não somente pelas lentes mercadológicas que, por reiteradas vezes, marca esse tipo de ciência.

Nascido a 26 de junho de 1897, em Minihic-sur-Rance, na Bretanha, Lebret conseguiu ao longo do tempo em que viveu - 69 anos - criar e consolidar um pensamento social cristão ressaltando a importância da construção de uma civilização mais solidária; nunca esquecendo que as bases principais dessa premissa estavam em respeitar em primeiro lugar o ser humano, vendo-o como um ser capaz de agir em prol do estabelecimento de um mundo mais justo, e não somente “encarnado” na pele de consumidor, tão ao gosto capitalista de um tipo de economia que valoriza a posse material, e não a pessoa.

Desse modo, a vida de Lebret, enquanto teólogo de ação e pensador social, esteve diretamente entrelaçada em dois movimentos criados e estruturados para dinamizar uma cultura mais fraternal. Cultura essa que, infelizmente, nos dias de hoje, tem regredido na escala dos valores, afastando-se assim daquilo que se convenciona chamar de prática do bom-senso. Os movimentos em questão são: i) a revista “Économie et Humanisme”; e ii) o “Movimento dos Economistas Cristãos”.

Ambos os movimentos, a partir do início dos anos 1940, fizeram com que Lebret concebesse uma economia (ciência e atividade) em função do ser humano, orientando-a para a satisfação das necessidades e das aspirações de cada um comprometidos com um sistema econômico capaz de priorizar as pessoas, e não o mercado e suas mercadorias. Com esses “movimentos”, pautados no método “ver, julgar e agir”, Lebret viabilizou projetos de desenvolvimento e valorização das relações humanas sob as bases da tradição cristã.

É interessante pontuar, a esse respeito, que esses dois “movimentos” marcaram, sistematicamente, o posicionamento religioso e econômico de uma pessoa que devotou parte considerável de sua vida para desmitificar o deus-mercado e valorizar o (a) cidadão (a) desprovido (a) de recursos, mas desejoso (a) de obter uma vida melhor. Como bem aponta Manuela Silva num brilhante texto em homenagem a Lebret (...) “Esses dois projetos estão interligados por um denominador comum – o conceito de economia humana, uma economia posta ao serviço das pessoas e dos povos, de todas as pessoas e de todos os povos. É um conceito de inspiração cristã que tem atravessado os documentos do magistério da Igreja e tem a sua consagração na Carta encíclica Populorum Progessio”.

Padre Lebret, indiscutivelmente, sempre foi um homem de ação, uma espécie de pensador incomodado com as injustiças sócio-econômicas que sempre fizeram com que a exclusão de muitos fosse algo inaceitável num mundo que caminhava a passos largos para a conquista tecnológica, mas que era, ao mesmo tempo, por forças mercantis, incapaz de acabar com o problema da fome e da miséria humanas.

Em 1958, chamado a contribuir para o esclarecimento das causas do subdesenvolvimento em algumas partes do mundo, Lebret, junto a um grupo de intelectuais, funda o IRFED (Institut de Recherche et Formation em vue du Développement), transformado depois em Centre Développment et Civilisations – Lebret-IRFED, com a missão de oferecer assistência técnica no desenvolvimento dos países considerados atrasados, formando, para tanto, quadros cristãos empenhados na ação humana.

Assim, em rápidas palavras, os conceitos, as ações, o modo de ser, agir e pensar e, acima de tudo, o exemplo de vida de Padre Lebret deveriam, para o bem de uma disciplina que pretende também ser vista como espécie de “auxiliadora” para a promoção social, ser ensinados em todos os cursos superiores de ciências econômicas. De modo geral, não é exagerado afirmar que os futuros economistas necessitam “respirar” os ideais de Padre Lebret. A Economia Humana saberá agradecer essa prática.

(*) Marcus Eduardo de Oliveira é economista e especialista em política internacional.

Veja Também
Ecodriving: dirigir com consciência é responsabilidade de todos
No dia 25 de julho, data em que comemoramos o Dia do Motorista, é oportuno lembrar algumas atitudes que todo condutor deve praticar em seu cotidiano,...
BRICs, um novo paradigma?
Há 500 anos, grande parte do planeta Terra era praticamente desabitada. A população e o poder se concentravam na Europa. Após as grandes descobertas ...
PNE aprovado. Eis a questão
Ao mesmo tempo em que comemoramos a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), devemos refletir, com bastante preocupação, algumas indagações. O ...
É preciso democratizar o celular 4G
A tecnologia 4G chegou ao país às vésperas da Copa das Confederações, em abril de 2013, em parte para oferecer acesso mais rápido de dados pela rede ...


imagem transparente

Desenvolvido por Idalus Internet Solutions