A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

05/09/2011 10:00

Plebiscito e referendo em Mato Grosso do Sul: Respeito à soberania do povo

Por Caroline Mendes Dias (*)

Como tem sido noticiado na imprensa regional, está em tramitação na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, uma proposta de Emenda à Constituição Estadual, proposta pelo Deputado Estadual Antônio Carlos Arroyo em maio de 2011, com nova redação apresentada no último dia 16 de agosto, através de Emenda Substitutiva. Trata-se da PEC 005/2011, que tem como objetivo prever a realização de plebiscito, referendo e iniciativa popular em âmbito estadual, como respeito e exercício da soberania popular.

É certo que tais institutos já se encontram previstos na Constituição Federal, mas foram relegados na Constituição de Mato Grosso do Sul, que até hoje não apresenta mecanismos que permitam que a população do Estado se manifeste com relação a assuntos de grande relevância no âmbito estadual.

A mencionada Proposta de Emenda à Constituição Estadual, que já está sendo conhecida como PEC do Plebiscito, apesar de sua relevância e pertinência, tem gerado, em alguns, discussões, especialmente pelo desconhecimento da íntegra do texto da proposição, que deixa claro seu caráter genérico, e mais, da justificativa anexada à PEC, que evidencia a efetiva função social e pública da implantação do plebiscito, referendo e iniciativa popular na Constituição Estadual de Mato Grosso do Sul.

A Legislação federal já tratou de conceituar plebiscito e referendo, fazendo a distinção que supera uma antiga questão doutrinária sobre a natureza de cada qual. A Lei federal nº 9.709, de 18 de novembro de 1998, conceitua os dois procedimentos como "consultas formuladas ao povo" (art. 2º, caput). Faz, entretanto, a distinção: no plebiscito a consulta é feita "com anterioridade ao ato" (art. 2º, § 1º); no referendo, a consulta é feita com "posterioridade ao ato"(art. 2º, § 2º). Após as conceituações, a lei disciplina a realização de plebiscitos e referendos, tratando, inclusive, dos procedimentos correspondentes.

Quer se crer que, hoje, ninguém pensa em contestar a importância e utilidade do referendo e plebiscito, enquanto modos de se obter decisões coletivas; e nem mesmo sua legitimidade democrática.

Assim, é que se justifica a relevância, deveras atual e abrangente, da inserção, no texto constitucional estadual - a exemplo do que já ocorre na maioria dos demais estados desenvolvidos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, entre outros - dos institutos do referendo, plebiscito e iniciativa popular, como forma de se tornar possível a participação popular em decisões de impacto estadual, tais como eventual mudança do nome do estado, alteração de fuso horário, criação de legislação de grande impacto, entre outras.

Esse parece ser o imediato objetivo da Emenda Constitucional n. 005/2011, da qual se extrai que a característica é a resposta ao desafio de assegurar o exercício direto da soberania popular, sem afronta aos princípios da democracia representativa, mas garantindo a democracia participativa.

Seguindo sua linha genérica, a Emenda Constitucional n. 005/2001, prevê também que a deliberação sobre a promoção da consulta popular deverá se dar através de um decreto legislativo. Ou seja, a aprovação da referida Emenda Constitucional, sequer tem o condão de já criar efetivamente qualquer plebiscito ou referendo, que, para cada caso em que se entenda a relevância da consulta popular, dependerá ainda da propositura e aprovação de decreto legislativo específico.

Essa é outra questão que merece ser ressaltada, a realização do plebiscito, na forma prevista, não acarretará ônus aos cofres públicos, pois a previsão da PEC 005/2001 é de que a consulta seja realizada, preferencialmente, em concomitância com as eleições majoritárias, acrescentando apenas um item a mais para votação na urna eletrônica.

Seria democrático e justo que decisões desse porte, que afetariam diretamente a bruscamente a vida de toda a sociedade local, pudesse ocorrer sem que fosse colhida a opinião e a vontade do povo? Qual o medo que se tem da realização de uma consulta popular? Quem não teme se submeter à vontade popular e respeita a soberania do povo e a democracia, certamente não se insurge contra a simples previsão constitucional de realização de referendo, plebiscito e iniciativa popular.

Discussões acerca da efetiva mudança do nome do estado, ou de qualquer outra questão finalística, embora sempre atuais e importantes, não são relevantes diante da abrangência genérica da Emenda Constitucional n. 005/2011, que como se sabe, possui a íntegra de seu texto disponível no sítio da Assembléia Legislativa, para dirimir quaisquer dúvidas acerca de seu objetivo genericamente democrático.

(*) Caroline Mendes Dias é advogada, especialista em Direito Civil com ênfase em Registros Públicos e Direito do Consumidor, pós-graduanda em Direito Administrativo.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions