A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/07/2014 13:59

PNE aprovado. Eis a questão

Por Priscilla Maria Bonini Ribeiro (*)

Ao mesmo tempo em que comemoramos a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), devemos refletir, com bastante preocupação, algumas indagações. O cumprimento das metas audaciosas propostas pelo PNE esbarra em grandes entraves da educação brasileira, tais como a regulamentação do regime de colaboração dos entes federados, a lei de responsabilidade fiscal e a questão dos recursos.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

O Plano traça metas e estratégias importantes para todos os níveis de ensino e, também, indicadores de qualidade para a Educação Básica. Além disso, há metas para a formação inicial e continuada dos profissionais de educação, incluindo a valorização da carreira. Todas estas metas são mensuráveis e englobam a ampliação de atendimento para todos os níveis e modalidades do ensino.

Entendemos que a Educação Brasileira precisa desenvolver-se com rapidez e eficácia e, portanto, ter um plano significa que o país tem clareza quanto à trajetória que pretende seguir para garantir a evolução da oferta e da qualidade da educação. Contudo, as indagações feitas acima requerem atenção especial não só dos gestores, mas também de toda a sociedade.

É preciso ficar claro para a sociedade brasileira, que a implementação do PNE deve ser responsabilidade conjunta dos entes federados: União, Estados e Municípios. Toda a sociedade precisa estar articulada e envolvida na elaboração de políticas públicas que assegurem o direito de cada cidadão brasileiro à educação pública de qualidade. Os Estados e Municípios terão de elaborar os seus Planos de Educação alinhados com as metas do PNE, considerando as peculiaridades locais e com a participação social que é imprescindível para que conquistemos a qualidade de ensino público que nossos estudantes merecem.

Alguns Municípios já elaboraram seus Planos Municipais de Educação. Como é o caso de Guarujá, que de forma pioneira na região da Baixada Santista, instaurou um Fórum Permanente do Plano Municipal de Educação, em 2010. A elaboração do Plano Decenal contou com a participação de vários segmentos sociais ligados à educação e se tornou referência para outros municípios de todo o Brasil.

O futuro da educação em Guarujá foi traçado no Plano Decenal 2012/2021 que norteará os passos dos gestores nos próximos dez anos. O Plano foi aprovado pela Lei 3985 e sancionado pela Prefeita Maria Antonieta de Brito, em 2012. A iniciativa democrática e inclusiva teve por objetivo elaborar uma agenda de propostas educacionais e articular questões significativas do cotidiano em um processo amplo e participativo.

Algumas metas do PNE já foram alcançadas pelo Município de Guarujá. A universalização do Ensino Fundamental, por exemplo, é uma delas. Hoje todas as crianças deste nível educacional são atendidas. Na pré-escola estamos bem perto de atingir a meta. Se somarmos as matrículas das redes pública e privada, temos aproximadamente 95% das crianças matriculadas. A meta é chegar a 100%, em 2016. A taxa de analfabetismo vem sendo drasticamente reduzida com os programas de alfabetização em curso. O uso das TICs é outro ponto em que avançamos muito. Os alunos da rede municipal contam com salas multimídia e curso de robótica em todas as escolas municipais de Ensino Fundamental.

Como Secretária de Educação de Guarujá, sinto muito orgulho desta conquista e agradecemos a todos que participaram de forma profissional e séria deste marco histórico da cidade. Temos a consciência de que há muito trabalho a ser desenvolvido.

Sabemos as dificuldades que enfretamos e enfretaremos para cumprir outras metas do PNE, pois não basta criar um Plano que estabeleça metas a serem cumpridas sem que sejam alteradas outras leis que limitam a ação dos dirigentes públicos e, desta forma, inviabilizam todo o processo e geram déficit nos orçamentos municipais.

Da forma como estão concebidas as metas do PNE e ante às dificuldades que já podemos visualizar que cada município terá para cumprí-las, o grande desafio será tirar o PNE do papel e transformá-lo em ações práticas para o cumprimento das metas e garantir a qualidade da Educação Brasileira.

Fortaleço-me ao lembrar da frase de Antônio Nóvoa, educador português: “Não basta atribuir responsabilidades às diversas entidades, é necessário que elas tenham uma palavra a dizer, que elas tenham capacidade de decisão sobre os assuntos educativos”.

(*) Priscilla Maria Bonini Ribeiro é secretária de Educação de Guarujá, conselheira de Educação do Estado de São Paulo, presidente da Undime-SP e Undime Sudeste.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions