A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

29/06/2012 11:04

Praxis, corrupção e loucura

Por Valfrido M. Chaves (*)

“Temos que bater na tecla da corrupção e o apego à ideologia totalitária como doenças, como manifestações de loucura”.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

A corrupção dos agentes do Mensalão seria ideologicamente justificada, pois seus agentes chamam-na de “práxis”, ou seja, ação revolucionária pela “Marcha da História”, ou seja, eliminação da propriedade privada e instauração do socialismo marxista-leninista.

A mentira, a corrupção, as invasões, a manipulação de pessoas simples seriam, para eles, motivo de orgulho pessoal.

Daí a insensibilidade moral com que negam o mensalão, ou o caso dos “aloprados”, o bancoop, coisa que cabe a nós não deixarmos esquecer.

Mas por quê doença?

Porque ao romper, violar a moral vigente, eles se sentem acima do bem e do mal, se sentem deuses, com direito a tudo, pois são “condutores da humanidade”. O fracasso do “socialismo real”, em todos os países em que foi estabelecido, não os afeta e, pelo contrário, comprovaria a perfeição de sua crença: por equívoco, o socialismo foi estabelecido em nações atrasadas e não naquelas já na última etapa do sistema capitalista, conforme previu Marx.

São pessoas que entram nesse delírio para compensar o sentimento de menos valia que carregam, portanto, encobrir a baixa auto estima que os martiriza.

Quando alguém não mente por sua causa, eles o denominam de “moralista”, que é aquilo que nós seríamos por considerarmos o mensalão uma imoralidade.

Para eles, mentir ou corromper é uma “grandeza”.

Errados, limitados seriam aqueles que não alcançam compreender a grandeza de suas “práxis”.

Por trás da mentira, da corrupção, há um delírio coletivo mediado por uma ideologia onipotente e pela seleção de indivíduos que necessitam dessa “bengala onipotente”, bem como de um líder onipotente. São os “anestésicos” de sua dor.

Se o líder deles deixar de manifestar-se de modo “todo poderoso”, ele cai, pois entre liderança e militância há uma satisfação recíproca de necessidades pessoais que lhes permitem dizer: somos deuses!

É isso que temos de dizer-lhes, eles se desequilibram.

Xingá-los é o que eles querem, porque o nível cai e quem fica mal é a gente.

Mudando de assunto: alguém sabe se é verdade que o apelido do homi, no tempo dos sindicatos, era “Mentira”? (desculpem-me pelo moralismo de querer saber se algo seja ou não verdade...)

(*) Por Valfrido M. Chaves é psicanalista.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



Parabéns ao Dr. Valfrido pelo artigo. É assim que devemos pensar e falar sobre toda essa gente envolvida nos escândalos de corrupção neste país. Certos da impunidade e de que tudo pode acabar em pizza, agem com suas espertezas e trapaças. O povo tem que acordar, reagir, e ajudar nas condenações, fazer passeatas. Devemos acabar com esses deuses mentirosos. Cadeia pra eles!
 
Pedro Rafael em 29/06/2012 08:59:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions