A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

09/07/2012 11:50

Produzir ou satanizar?

Por Valfrido M. Chaves (*)

Os professores japoneses não precisam curvar-se diante do imperador, assim como os padeiros de Viena podiam portar suas espadas frente a seu imperador, pois, certa feita, na madrugada, deram alarme sobre uma a invasão turca que se iniciava sobre a cidade.

Os professores, em reconhecimento por seu serviço em prol da sociedade japonesa, têm aquele privilégio. No Brasil é diferente, pois, há um estamento social que, mesmo sendo um dos esteios da Nação, é objeto de sistemática tentativa de desmoralização. É o fazendeiro, o produtor rural.

O sucesso dessa campanha é tal que, em sua identificação, o homem do campo evita usar a expressão tradicional “fazendeiro”. Por falta de méritos positivos não é que essa classe seja, perversamente, satanizada.

De 72 para cá, se dobramos a área cultivada, nela triplicamos a produção. O plantio direto e a entre-safra acabaram com a monocultura e transformaram os plantios em áreas fixadoras de Carbono. Entretanto, o ato de preparar a terra, antes denominada de “beneficiar a terra”, é chamada hoje, em certa mídia e universidades, como “devastar”, ainda que não se plante no ar, mas sobre o solo limpo, após a retirada do Cerrado e Matas.

Surgiu a idolatria da árvore, a serviço de um eco colonialismo, para entravar e satanizar a produção alimentar brasileira. Certo ecologismo de asfalto quer verbas, poder e alimentação abundante, mas parece pensar que o leite dá no saquinho. Seu poder é tal que, certa feita, disse o Zeca do PT, então governador: “se fossemos fazer hoje a estrada de ferro que corta o Pantanal até Corumbá, as Ongs não deixariam nem discutir o assunto.”

Belo Monte? Será para o Brasil do futuro o que hoje é Itaipú na atualidade e vejam as tentativas de entravá-la, coordenadas pela mesma instituição envolvida na criação da “nação guarani” em nossas fronteiras... Sabe-se que três forças mobilizam a militância eco maledicente: a ideológica, a geopolítica e a neurótica, manipulada esta pelas forças anteriores.

A ideológica busca fragilizar a segurança jurídica da propriedade privada que realizou nosso extraordinário avanço na produção alimentar; a geopolítica, de origem externa, que busca entravar uma agricultura superior e com a qual não pode concorrer, mesmo subsidiada com um bilhão de dólares por dia; a neurótica, que inspira aqueles manipulados, empenhados em por na “mãe natureza” o cinto de castidade que, na infância, queriam vestir na mamãe, motivados pelo ciúme edípico, natural na infância, mas neurótico no adulto.

O fim da monocultura, com a multicultura anual; a fixação de carbono, com o plantio direto; a diminuição do uso dos agrotóxicos, com o plantio dos transgênicos; a maior produtividade, nada satisfaz a comunidade neuro-ideológica. Democracia é isso, leitor, cada um escolhe o seu lado, uns construtivos, outros, que o leitor os denomine. Quem muda uma dinâmica que vem desde o tempo de Cain e Abel?

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista e fazendeiro.

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions