A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

09/07/2012 11:50

Produzir ou satanizar?

Por Valfrido M. Chaves (*)

Os professores japoneses não precisam curvar-se diante do imperador, assim como os padeiros de Viena podiam portar suas espadas frente a seu imperador, pois, certa feita, na madrugada, deram alarme sobre uma a invasão turca que se iniciava sobre a cidade.

Veja Mais
Educação e o futuro da alimentação
Convenções internacionais e competitividade

Os professores, em reconhecimento por seu serviço em prol da sociedade japonesa, têm aquele privilégio. No Brasil é diferente, pois, há um estamento social que, mesmo sendo um dos esteios da Nação, é objeto de sistemática tentativa de desmoralização. É o fazendeiro, o produtor rural.

O sucesso dessa campanha é tal que, em sua identificação, o homem do campo evita usar a expressão tradicional “fazendeiro”. Por falta de méritos positivos não é que essa classe seja, perversamente, satanizada.

De 72 para cá, se dobramos a área cultivada, nela triplicamos a produção. O plantio direto e a entre-safra acabaram com a monocultura e transformaram os plantios em áreas fixadoras de Carbono. Entretanto, o ato de preparar a terra, antes denominada de “beneficiar a terra”, é chamada hoje, em certa mídia e universidades, como “devastar”, ainda que não se plante no ar, mas sobre o solo limpo, após a retirada do Cerrado e Matas.

Surgiu a idolatria da árvore, a serviço de um eco colonialismo, para entravar e satanizar a produção alimentar brasileira. Certo ecologismo de asfalto quer verbas, poder e alimentação abundante, mas parece pensar que o leite dá no saquinho. Seu poder é tal que, certa feita, disse o Zeca do PT, então governador: “se fossemos fazer hoje a estrada de ferro que corta o Pantanal até Corumbá, as Ongs não deixariam nem discutir o assunto.”

Belo Monte? Será para o Brasil do futuro o que hoje é Itaipú na atualidade e vejam as tentativas de entravá-la, coordenadas pela mesma instituição envolvida na criação da “nação guarani” em nossas fronteiras... Sabe-se que três forças mobilizam a militância eco maledicente: a ideológica, a geopolítica e a neurótica, manipulada esta pelas forças anteriores.

A ideológica busca fragilizar a segurança jurídica da propriedade privada que realizou nosso extraordinário avanço na produção alimentar; a geopolítica, de origem externa, que busca entravar uma agricultura superior e com a qual não pode concorrer, mesmo subsidiada com um bilhão de dólares por dia; a neurótica, que inspira aqueles manipulados, empenhados em por na “mãe natureza” o cinto de castidade que, na infância, queriam vestir na mamãe, motivados pelo ciúme edípico, natural na infância, mas neurótico no adulto.

O fim da monocultura, com a multicultura anual; a fixação de carbono, com o plantio direto; a diminuição do uso dos agrotóxicos, com o plantio dos transgênicos; a maior produtividade, nada satisfaz a comunidade neuro-ideológica. Democracia é isso, leitor, cada um escolhe o seu lado, uns construtivos, outros, que o leitor os denomine. Quem muda uma dinâmica que vem desde o tempo de Cain e Abel?

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista e fazendeiro.

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions