A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

19/04/2014 17:41

Quanto custa ter "qualidade de vida"?

Por Eduardo Ferraz (*)

Um estudo da consultoria EY feito em todos os países do BRIC - Brasil, Rússia, Índia e China, apontou que os brasileiros almejam, em primeiro lugar, um emprego que ofereça qualidade de vida e como segunda meta mais importante na carreira, ter estabilidade no emprego. O desejo de ser líder, ou comandar outras pessoas, ficou em sétimo lugar na preferência. Ou seja, um número expressivo de brasileiros tem como principal objetivo um trabalho que lhes dê qualidade de vida e segurança.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

O problema é que na maioria das vezes esta conta não fecha, pois muita gente quer o bônus do conforto, mas não quer pagar o ônus do esforço. O que é melhor? “Dar o sangue” no início da carreira e colher os frutos mais tarde ou levar uma vida mais simples e com menos estresse desde o começo? Seja qual for a escolha, será preciso se preparar para as consequências. Cito um caso para exemplificar:

Recentemente coordenei a seleção de uma equipe de trainees para uma grande empresa e ao entrevistar os candidatos, jovens entre 20-25 anos, perguntei o que eles mais desejavam ao se inscrever para a vaga. Para minha surpresa, vários responderam “qualidade de vida”, corroborando os dados da pesquisa. Nada mais justo que uma pessoa desejar ter uma vida confortável após ter batalhado muito, mas almejar isso na faixa dos 20 anos é, sinceramente, muito prematuro e provavelmente custará caro no futuro.

A pessoa que acaba de se formar deve ter como prioridade trabalhar duro para depois pensar em se estabilizar. A juventude, a disposição e a necessidade de aprender são as melhores aliadas de quem está começando. Nessa fase da carreira, o profissional que pretende ser bem sucedido, precisa se dispor a trabalhar algumas horas a mais, às vezes de graça, estudar por conta própria, e usufruir ao máximo o conhecimento dos mais experientes, nem que para isso tenha que abrir mão de conforto e bem estar. Agindo dessa forma, estará adquirindo bagagem e plantando para alcançar em 10-15 anos um posicionamento profissional que permita optar por mais qualidade de vida, segurança e estabilidade.

Raríssimos são os que conseguem em pouco tempo ganhar bem, trabalhar no que ama e ainda ter conforto. O preço de uma carreira medíocre na juventude será a estagnação, a insatisfação e a sensação de ter ficado para trás. Por isso, pense bem e plante agora para colher no futuro. A grande verdade é que na vida profissional não existe bônus, sem ônus.

(*) Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas há 25 anos e especialista em treinamentos usando como base a Neurociência comportamental. Acumula mais de 30.000 horas de experiência prática em empresas de vários segmentos. É pós-graduado em Direção de Empresas e autor dos livros “Por que a gente é do jeito que a gente é?”, “Vencer é ser você” e “Seja a pessoa certa no lugar certo”, pela Editora Gente. Para mais informações

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions