A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

13/07/2012 13:56

Recuperar a pastagem para continuar a crescer

Por Ademar Silva Junior (*)

Anteriormente, em outro artigo intitulado “Diversificar é o segredo do sucesso” argumentei sobre a necessidade de diversificação da produção como uma necessidade de sobrevivência e razão de sucesso e citei a iniciativa do Senar/MS em criar um programa chamado Mais Floresta, objetivando levar informações sobre as oportunidades do cultivo de eucalipto e seringueira em regiões de pecuária extensiva, procurando desta forma estimular a diversificação da produção e da renda.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

A iniciativa do Programa Mais Floresta, buscando levar diversificação em áreas de pecuária de corte levou o Senar/MS a identificar outra oportunidade de melhorar o processo produtivo: a recuperação de pastagens.

A região Norte e Nordeste de Mato Grosso do Sul tem como atividade produtiva primordial a pecuária de corte extensiva em áreas de pastagens degradadas. Esta afirmativa é confirmada pelo pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Armindo Keichel, que aponta que, em todo Mato Grosso do Sul, dos 18 milhões de hectares de pastagens, pelo menos 9 milhões estão degradados.

Esta constatação levou o Senar/MS a lançar o Programa Mais Pastagem, que tem como objetivo levar informações sobre as causas de degradação do solo e pastagens, as alternativas de recuperação, as práticas de manejo de pastagem, bem como as perspectivas de mercado para pecuária de corte e as linhas de financiamento para pecuária. Além de diversificar sua produção, é necessário que o produtor aumente a rentabilidade da sua atividade atual, aplicando tecnologias que permitam o aumento da renda e a sustentabilidade do processo produtivo.

São inúmeros os relatos de produtores rurais que deixaram a pecuária de corte por não conseguirem se sustentarem economicamente. Alguns pesquisadores afirmam que a rentabilidade da pecuária extensiva nestas regiões está entre R$ 50,00 e R$ 300,00 por hectare por ano. Esta variação ocorre em função das modalidades de produção e também de acordo com a metodologia de apuração do resultado.

Mas em suma, ainda que se considere o maior valor, é uma rentabilidade comparativamente menor que inúmeras outras atividades produtivas, como o cultivo de eucalipto e seringueira, perdendo inclusive para o próprio arrendamento de terras para empresas florestais e usinas de cana, forçando muitos produtores a deixar a atividade.

As palestras do Programa Mais Pastagem visam apresentar alternativas técnicas e viáveis para uma pecuária sustentável, mostrando que, com manejo adequado do pasto e do rebanho, é possível obter altos rendimentos financeiros com a pecuária de corte. Já foram promovidos ciclos de palestras em sete municípios que contaram com a participação de 729 produtores rurais.

Diversos destes têm utilizado os conhecimentos compartilhados durante as palestras para realizar a recuperação de suas pastagens e até mesmo promover uma reformulação no seu processo produtivo. Ao percorrer as rodovias dos municípios das regiões norte e nordeste, começamos a evidenciar áreas de reforma e recuperação de pastagens, fato que até anos atrás era considerado uma exceção.

Diversificar é preciso, entretanto, para diversificar é necessário ter sustentabilidade na sua atividade atual. Diante disso, eu afirmo sem chance de errar, que recuperar é preciso. Notadamente com ações como a do Senar/MS, somadas a inúmeras outras, estamos presenciando a transformação de um cenário, e felizmente para uma situação muito melhor.

Não tenho dúvidas, recuperar a pastagem é uma questão de sobrevivência. O Senar/MS, por sua vez, está objetivamente realizando sua missão, que é promover a educação, a informação e o conhecimento em agronegócio a comunidade rural de MS, com inovação e competência, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico do Estado.

(*) Ademar Silva Junior é presidente do Conselho Administrativo do Senar/MS.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions