A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

16/05/2014 12:50

Recursos para a saúde

Lucimar Couto

O gasto anual do setor de saúde corresponde a 10,2% do PIB brasileiro, sendo que 57% desse montante foram gerados pela iniciativa privada. Diante dos números, cabe reconhecer que o setor não pode ser visto apenas como polo de assistência, mas como gerador de investimentos, de desenvolvimento técnico e de empregos qualificados. Os pacientes dos principais hospitais de Rio e São Paulo são oriundos dos planos de saúde.

Para atender os 150 milhões de brasileiros do Sistema Único de Saúde (SUS) e os 50,3 milhões que usam planos de saúde, o setor movimenta uma extensa cadeia produtiva. Ela engloba hospitais, laboratórios, clínicas, operadoras, call centers, corretoras, administradoras, indústria farmacêutica, drogarias, e integra empresas e instituições de segmentos como tecnologia da informação, construção civil, indústria de equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, escolas e universidades. São mais de 150 as profissões identificadas apenas nos hospitais. Quantos segmentos têm o volume de empregos diretos (3,1 milhões) e a capilaridade do setor de saúde, presente em todas as regiões do país?

Um olhar sobre a rede brasileira mostra que dispomos de 6.792 hospitais — 3.016 privados, 1.471 filantrópicos e 2.305 públicos. Vale salientar que faltam leitos — segundo a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), é preciso abrir 13.700 leitos até 2016 para fazer frente à necessidade apenas da saúde suplementar.

A expansão é necessária porque aumentou a demanda pelos serviços. A medicina evoluiu, sendo capaz de diagnosticar e tratar casos antes nem identificados. Aumentou a longevidade das populações, e a do brasileiro, também. E no Brasil aumentou o acesso da população à assistência, como resultado da melhor distribuição de renda. Para prestar assistência à saúde, atendendo a uma demanda cada vez maior e cumprindo a oferta de serviços de qualidade, temos desafios. E, no setor público e no privado, há um ponto em comum: o financiamento. Onde buscar os recursos?

É necessário articular medidas que fomentem o investimento na saúde. No setor privado, é preciso que se aborde a abertura de novos segmentos para novas fontes de capital, permitindo a entrada de recursos estrangeiros nos hospitais privados. Essa seria uma possibilidade para aumentar a capacidade de leitos.

A entrada de capital estrangeiro no segmento hospitalar, hoje proibida pela Constituição, é um anacronismo já superado nas áreas de laboratórios, farmácias, máquinas e equipamentos. Ainda em prol do financiamento da saúde no setor privado, temos que discutir a redução e a racionalização da carga tributária e os fundos de capitalização — destinados a garantir recursos para bancar os custos da saúde dos indivíduos após a aposentadoria —, entre outras medidas.

Muito já tem sido feito, mas precisamos avançar. No momento em que a sociedade e o poder público discutem formas de fomentar o investimento público e privado, é preciso um olhar diferenciado para o setor.

(*) Arlindo de Almeida é presidente da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge).

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions