A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

13/01/2014 09:36

Redes de franquias esquentam o mercado no verão

Por Nadia Korosue (*)

O verão está aí com sol intenso e altas temperaturas. Momento extremamente oportuno para negócios sazonais explorarem a demanda por produtos para refrescar a sensação de calor, para se proteger dele e até mesmo para atender aqueles que se preocupam com a beleza e estética, principalmente, neste período. As redes de franquias são ótimas opções para obter sucesso em negócios sazonais, pois elas geralmente já passaram pela experiência por diversas vezes e possuem assim o know how do que deve ser explorado e evitado.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Para os empreendedores que enxergam a sazonalidade como uma oportunidade e vislumbram tirar proveito da estação, há diversas redes de franquias que oferecem produtos e serviços voltados para esta época do ano. As redes costumam aproveitar ao máximo a estação mais esperada para alavancar os resultados do ano, uma vez que em baixa temporada as estimativas de vendas costumam ser bem abaixo quando comparado a este período - que também é caracterizado pelas férias, momento em que as pessoas estão mais predispostas a gastar.

Algumas empresas no segmento de alimentação, por exemplo, costumam registrar alta de até 50% a mais no movimento, crescendo cerca de 10% nos últimos anos. Entre eles destacam-se as redes de sorvete, açaí, chás gelados, cervejas, milk shake, sucos naturais, alimentação leve e saudável e também a grande onda dos últimos verões, os frozen yogurt. Com os dias mais quentes, aumenta também o faturamento de algumas redes de vestuário de moda praia, fitness e óculos de sol.

No verão, como o corpo fica em evidência, a busca para manter a forma é ainda maior. Estão em alta também empresas prestadoras de serviço como as academias de ginástica, treinamento funcional, pilates e clínicas de estética são alguns modelos. Vale tudo para ficar de bem com o espelho.

Os empreendedores do sistema de franquias possuem um preparo mais adequado para lidar com a sazonalidade que os empreendedores independentes. Estimativa mais precisa do estoque, conhecimento da capacidade logística dos fornecedores para o período, menos perdas em função das altas temperaturas, seleção de produtos que podem ou não ficar expostos ao sol ou calor e regulação da temperatura correta dos equipamentos são algumas das práticas bem sucedidas em função da experiência adquirida nos verões passados.

Para o resultado ser ainda mais atrativo, algumas redes optam por ter uma operação menor, como um quiosque. Este modelo de negócio costuma ter um baixo investimento em função do tamanho de sua infraestrutura e um custo fixo menor. Por outro lado, deve-se ter cuidado nos prazos negociados, pois se o tempo de permanência for muito curto, este pode não ser suficiente para trazer o retorno do capital investido e o lucro esperado. O ideal é abrir a unidade depois de outubro para alinhar a operação e iniciar as vendas no alto verão, poupando assim o capital de giro.

Para diminuir os riscos da sazonalidade, ou seja, redução brusca do faturamento na mudança de estação é interessante que as redes ofereçam um mix de produtos maior e que o ponto comercial seja em lugares de clima quente e estável, turísticos ou com grande fluxo de pessoas.

Por fim, antes de escolher o negócio é imprescindível analisar e estar certo de que o segmento é ideal para o perfil do empreendedor. Para tanto, sugere-se visitar as franquias, experimentar os produtos e serviços, conhecer as operações e conversar com outros franqueados ou com especialistas antes de assinar qualquer contrato. Caso contrário, o verão pode te deixar de “cabeça quente”.

(*) Nadia Korosue é administradora de empresas, especialista em projetos, sócia da GOAKIRA Consultoria.

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions