A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

14/10/2015 16:54

Resposta à Deputada Mara Caseiro

Dom Redovino Rizzardo

Com amargura e decepção, tomei conhecimento de uma afirmação a meu respeito feita pela Deputada Mara Caseiro, afirmação que, por ser falsa e caluniosa, deixa numa situação desconfortável a multidão de agricultores católicos da Diocese de Dourados, pois, se fosse verdadeira, se sentiriam abandonados e traídos pelo próprio bispo diocesano.

De acordo com a Deputada – cito textualmente o texto, tal como aparece em seu Facebook – "graves teriam sido as declarações feitas por Dom Redovino Rizzardo, bispo de Dourados, na cidade de Dourados no encontro do dia 8 de outubro. O bispo teria afirmado que "A Europa vai parar de comprar a carne do Mato Grosso do Sul, porque a carne daqui tem sangue de criança indígena. A Europa vai parar de comprar a soja do Mato Grosso do Sul, porque a soja daqui tem sangue de criança indígena".

Quero esclarecer à Deputada – e à multidão de pessoas que, deixando-se levar por suas palavras, me criticaram e ofenderam nos comentários que fizeram em seguida – que jamais pronunciei tais palavras, inclusive porque não estava presente na reunião que esse grupo de pessoas, vindas de vários Estados do Brasil e do exterior para conferir a situação real em que se encontram os indígenas, realizou na manhã do dia 8 de outubro.

Por ter recém saído de uma quimioterapia e por estar afônico, tive apenas condições de saudá-las e pedir-lhes que atuassem pela pacificação dos ânimos, lembrando que a população diocesana é composta não apenas de indígenas, mas também (e sobretudo) de agricultores.

A partir de sua afirmação falsa, a Deputada Mara Caseiro parte para conclusões que, por ser eu gaúcho, habituado desde pequeno às lidas do campo, jamais poderei aceitar: Lamentável que a minha igreja não tenha a responsabilidade ao fazer esse tipo de declaração mentirosa, ao invés de proteger nossas riquezas e nossa independência. Nossa soja e nossa carne possuem o suor de trabalhadores do campo. Produtores rurais de pequeno, médio e de grande porte que trabalham diariamente para levar o alimento para a mesa dos brasileiros e do mundo.

Meu pensamento a respeito desta dolorosa situação que, há anos, sofremos no Estado foi expresso dezenas de vezes em encontros com produtores rurais e em artigos que escrevi em diversos jornais. Cito apenas o último deles, que enviei aos agricultores católicos da Diocese, no dia 28 de setembro: Ao longo dos quinze anos em que tenho a alegria de residir no Mato Grosso do Sul, foram inúmeras as vezes em que os Bispos do Estado nos manifestamos a respeito dessa questão. Fizemos nossa uma proposta levantada por agricultores e indígenas, que nos parecia a única viável: a indenização justa das terras identificadas como indígenas pelo Governo Central, a fim de que também os índios – do jeito que seus costumes e sua cultura pedem – tirem seu sustento, assim como fazem os demais agricultores do Estado.

Diante de uma situação que mantém a população em constante sobressalto, o que peço aos agricultores católicos da Diocese de Dourados é que não se deixem contaminar pelas mentiras e pelo ódio de quem parece nada buscar senão “sujar as águas para melhor pescar”, recrudescendo a tensão. Pelo contrário, já que a fé se manifesta e cresce através das obras, sejam vocês os primeiros a buscar a paz, o diálogo e a união de forças para reclamar, junto ao Governo Federal, a solução do conflito. Por ser brasileiro, sei que, em nosso país, nada se consegue senão pela pressão.

Se eu pudesse me dirigir aos irmãos indígenas – mas não tenho autoridade para tanto, pois sei que a maioria deles não participa de nossa Igreja – eu lhes lembraria que a cada ação corresponde uma reação, e que a corda tende a rebentar sempre do lado mais fraco... Por isso, a meu ver, as “retomadas” devem ser medidas excepcionais, depois de esgotados todos os demais recursos.

Quero confiar que a Deputada Mara Caseiro saberá tomar as providências que lhe cabem para reparar o dano causado, pois, dizendo-se católica, com suas palavras levou uma multidão de fiéis a se afastarem mais ainda de uma Igreja que os considera filhos amados – tais como os indígenas – pois, assim como Deus, ela também procura não fazer acepção de pessoas.

*Dom Redovino Rizzardo é bispo diocesano de Dourados

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions