A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

25/12/2011 11:16

Revista Artesur

Por Bruno Peron Loureiro*

A América Latina manifesta crescentemente a qualidade de sua produção artística e criativa e reconhece as potencialidades que ainda tem para desenvolver. Ainda, seus produtores e promotores esforçam-se para dinamizar este registro e inserir suas obras em circuitos com os que há pouco tempo nem se sonhava.

Veja Mais
Hoje eu me lembrei...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda

Os meios de interligar produção, circulação e consumo da cultura têm sido ainda escassos, o que se deve em parte à falta de experiência e financiamento, mas a região tem obtido êxito relativo nesta tarefa e diversificado a estratégia.

A segunda edição da revista ArteSur sobre artes visuais apresentou-se no final de novembro de 2011 na ALBA Cultural, em La Habana, Cuba. Este número da revista contém documentos, desenhos e imagens de museus importantes dos países membros da ALBA (Alternativa Bolivariana para os Povos de Nossa América), a saber Bolívia, Cuba, Equador, Nicarágua, Venezuela e alguns países caribenhos.

As publicações desta revista são bilíngues (em espanhol e inglês) e provavelmente serão anuais. O patrocínio vem do Fondo Cultural de la Alternativa Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América.

Ismael González, coordenador do programa ALBA Cultural, salientou a função da revista de despertar a atenção sobre as artes visuais desde o pensamento radical no contexto latino-americano e caribenho. É um esforço comum entre gestores culturais da nossa região reduzir a hegemonia dos países do Norte na definição dos rumos mundiais de arte e criatividade. Até então o conteúdo destes termos havia sido associado quase integralmente ao que se produzia nos países "desenvolvidos".

A revista expressa seu ideal integrador dos povos do "Sul", promove redes de intelectuais, e considera alguns documentos e ideais de personagens de renome no latino-americanismo. Gera, ainda, espaços de "diálogo" e "confrontação" entre artistas visuais latino-americanos e os de outras regiões desde uma perspectiva "descolonizadora" e "anti-hegemônica".

O projeto ambiciona oferecer uma alternativa em artes visuais ao que emana dos centros e instituições de países que se achavam "mais desenvolvidos" e determinavam as tendências no setor, o que devia ou não ser apreciado, e atribuíam critérios valorativos sobre o campo artístico. O comitê editorial da revista ArteSur luta também contra as inclinações "excludentes" e "totalizadoras" do mercado.

Rubén del Valle, diretor da revista, relembrou também o esforço dos promotores deste projeto editorial de divulgar as produções artísticas da América Latina ao público a fim de que a revista seja tomada em conta. Não é demais recordar a amplitude da categoria "artes visuais", que envolve arquitetura, desenho, escultura, filme, fotografia, moda, pintura, animação gráfica, etc.

Projetos como o da revista ArteSur desenvolvem um potencial imenso da América Latina na medida em que desloca a ênfase de produção a circulação e consumo de seus bens culturais. É preciso aproveitar as conexões internacionalistas que se nos abrem, mas sem qualquer tipo de desprezo e negligência das culturas que não são nossas sob risco de reincidir num desacerto que se quer abolir.

Assim, enveredamo-nos nessas conexões com estratégias discursivas muito diferentes das que tiveram os colonizadores e hegemônicos, que hoje mastigam uma crise de mercado e especulação financeira que eles mesmos ensejaram. Contamos com que este vento econômico negativo que assola sobremaneira o mundo "desenvolvido" nos vergaste com intensidade menor.

A América Latina dispõe de alternativas naquilo que produz e na estratégia de divulgação. Por que esperar mais tempo para que nossas artes visuais tornem-se conhecidas, dignas de prêmios internacionais e se saiba mais de nós alhures?

(*)Bruno Peron Loureiro é articulista.

Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...
Mais um ano difícil
A economia brasileira inicia 2017 com a combinação de otimismo moderado e preocupação. A perspectiva levemente otimista se fundamenta na expectativa ...
A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions