A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

12/02/2011 09:45

Ruído e qualidade de vida

Magnólia Diógenes Bezerra (*)

É fato e não podemos negar o quanto é prazeroso ouvir, mas o como ouvir e a forma de sentir esse prazer podem variar de pessoa para pessoa e de acordo com as situações socioeconômicas e culturais. Observamos por exemplo que as pessoas que vivem em países com temperaturas mais quentes e em cidades litorâneas são as que mais abusam dos níveis de pressão sonora (NPS), principalmente ao ar livre incomodando os que procuram um pouco de sossego.

Daí surge a questão: como respeitar os direitos e deveres dessas populações distintas onde uma procura da excitação e euforia pelo aumento da liberação excessiva dos hormônios cortisol, adrenalina e noradrenalina através da exposição a NPS excessivos e a outra os níveis mínimos desses estimulantes naturais para o sossego?

Considerando que somos diferentes e que o seu direito começa quando o meu termina, sou a favor da lei que limita o uso de paredões de som em logradouros públicos por dois motivos. O primeiro porque o NPS excessivo, ou seja, acima de 85 decibéis (dB) por longos períodos de exposições causa alterações no organismo de forma irreparável como à perda auditiva precoce ou o envelhecimento auditivo, além de problemas no sistema nervoso central, endócrino, digestório, imunológico, muscular, cardiovascular psicológico, interferindo também no desempenho do sono e sexual.

É sabido que não existe nenhum paredão que funcione a NPS menores do que o organismo pode suportar. No entanto, se pensarmos em sossego, o NPS não pode ultrapassar 55dB no período diurno e 50dB no período noturno segundo a lei (NBR 10151 e NBR 10152 da ABNT), o que torna impossível paredões quando perto das áreas residenciais.

Em segundo porque o poder público tem que cumprir o que determina a Constituição Federal onde é bem claro, no seu artigo 225, parágrafo primeiro: “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”. Torna-se claro que som excessivo vai de encontro à qualidade de vida devido a sua grande nocividade à saúde.

A Fonoaudiologia, em parceria com os órgãos públicos, vem alertando e conscientizando a população sobre os perigos à saúde provocados por exposição a NPS elevados. Estivemos inclusive em audiência pública com os vereadores na Câmara de Fortaleza, realizada em 28 de fevereiro de 2010, para informar à população sobre os perigos à saúde auditiva causados por exposição excessiva ao NPS. É imprescindível a fiscalização e cumprimento da lei para que possamos garantir à população uma convivência saudável e livre da surdez. A Fonoaudiologia convoca a população, os gestores e o poder público na luta contra o uso abusivo dos paredões. Façamos a nossa parte!

Magnólia Diógenes Bezerra

magnoliadiogenes@unifor.br

(*) Magnólia Diógenes Bezerra é fonoaudióloga, mestre em distúrbios da comunicação humana e professora do curso Fonoaudiologia da Universidade de Fortaleza

A força da mulher no campo
Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que...
Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions