A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

21/06/2015 14:00

Sem glúten e lactose: as novas tendências na alimentação

Por Filomena Benfatti (*)

Glúten e lactose. Há algum tempo, esses dois ingredientes se popularizaram como os grandes vilões da saúde e da boa forma. Em busca da famosa nutrição funcional, milhares de pessoas aboliram esses nutrientes do cardápio e este mercado tem crescido cada vez mais.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Embora muitos associem essa atitude à moda ou a dietas malucas, uma pesquisa realizada pela Dunnhumby, empresa de pesquisa do grupo varejista britânico Tesco, revela que o Brasil se mostra bem mais preocupado com a alimentação que a média global. Aproximadamente 79% dos brasileiros disseram que saúde e nutrição são prioridade em sua vida. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos esse número não passa de 55%.

Assim, para quem se preocupa em manter uma alimentação equilibrada e funcional, a retirada do glúten e da lactose do cardápio pode provocar grandes benefícios, principalmente se houver uma sensibilidade ou intolerância ao consumo destes nutrientes.

Com estes hábitos, é perceptível a diminuição dos riscos para doenças autoimunes e associadas à inflamação, como as cardiovasculares e a melhoria do funcionamento do metabolismo em geral, com a redução ou eliminação de sintomas incômodos, como enxaqueca, prisão de ventre, queimação no estômago, gases e inchaço.

Para atender uma demanda de público cada vez maior e mais exigente, o mercado tem buscado se atualizar e investir em produtos mais saborosos e saudáveis. Nos últimos cinco anos, enquanto as vendas dos produtos tradicionais cresceram 67%, os produtos considerados saudáveis aumentaram 98% no mesmo período, segundo a consultoria Euromonitor.

O mais interessante nessa expansão é que produtos saudáveis deixaram de ser sinônimo de ruins ou pouco saborosos. A indústria tem se reinventado a cada ano e lançando produtos antes impensáveis, como sorvetes ou outros doces sem glúten, açúcar ou lactose. E o mais importante: sem abrir mão do sabor.

A tendência demonstra a possibilidade gerada a todos o segmentos alimentícios de se atualizarem e proporem soluções mais saudáveis e funcionais aos consumidores. Afinal, quem não gosta de comer bem sem sentir qualquer tipo de culpa ou dor na consciência? Está lançada uma nova era para esse mercado.

(*) Filomena Benfatti é formada em engenharia de alimentos e vice-presidente de inovação da Blend Coberturas.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions