A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

13/09/2016 09:50

Sem pacificação não vamos a lugar nenhum

Por José Zeferino Pedrozo (*)

O recém-encerrado processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff, agora em caráter permanente, exige uma avaliação isenta e escoimada de apegos ideológicos. De um lado, é necessário reconhecer que as instituições republicanas revelaram-se suficientemente fortes e maduras para cumprir rigorosamente os preceitos constitucionais e o rito definido pelo Superior Tribunal Federal.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

Apesar disso, cidadãos engajados nos partidos políticos a favor ou contra o impeachment levarão décadas discutindo essa matéria, mantendo férreas posições doutrinárias – uns considerando o episódio um golpe, outros aceitando a plena normalidade do estado de direito.

Nesse período pós-impeachment, mesmo que perdurem manifestações públicas nas ruas, ações na suprema corte e a pregação do golpe e não-golpe, é urgente iniciar um esforço de pacificação. Obviamente não estamos em luta armada, mas, não é exagero falar em pacificação porque a exacerbação pode chegar a níveis perigosos.

O caminho é acreditar nas instituições e renovar a fé no regime democrático. Levamos séculos para concluir que, embora imperfeita, a democracia ainda é o melhor caminho por basear-se nos princípios da soberania popular e da distribuição equitativa do poder, na liberdade do ato eleitoral, na divisão dos poderes e no controle da autoridade.

Nesse estágio é necessário desarmar os ânimos, abandonar o radicalismo das posições ideológicas e estender uma ponte para o diálogo com o objetivo de manter a normalidade institucional. Não colherão paz nem harmonia aqueles que, agora, apostam no confronto, na violência, na desordem, na disseminação do medo e na pregação do caos.

Nunca antes foi tão essencial o bordão do pavilhão nacional – Ordem e Progresso – como nessa fase particularmente sensível da história brasileira para a retomada da normalidade da vida brasileira. Precisamos de paz para restituir a fé no futuro, a confiança no mercado, a coragem de iniciar as reformas, a ousadia de empreender e a vontade de acertar.

O País tem pressa. Perdemos muito tempo com essa crise. Grande parcela dos avanços sociais dos últimos anos foi impiedosamente neutralizada pela presente crise econômica e política. Necessitamos barrar o rolo compressor dessa conjuntura e iniciar um gradual e incessante processo de retomada do crescimento.

Tudo isso inicia com a pacificação que deve dominar a mente e os corações de todos, especialmente daqueles que detém algum nível de liderança. O primeiro compromisso do líder é com a paz, a justiça e o futuro.

(*) José Zeferino Pedrozo é presidente da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina)

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions